<                           

























sábado, 29 de dezembro de 2007

A Abelha e a Flor

(Gibran Khalil)
Ide pois aos vossos campos e pomares,
e lá aprendereis que o prazer da abelha
é de sugar o mel da flor,
mas que o prazer da flor é de entregar o mel à abelha.
Pois, para a abelha,
uma flor é uma fonte de vida.
E para a flor
uma abelha é mensageira do amor.
E para ambas, a abelha e a flor,
dar e receber o prazer
é uma necessidade e um êxtase.


Pode haver momento mais sm, D/s que a relação da abelha com a flor???!!! Um entrega, o outro recebe e ambos se deleitam em prazer

sexta-feira, 28 de dezembro de 2007

CONTO - PARTE III

CONTINUAÇÃO


A Descoberta de uma Submissa




Mesmo porque não íamos ficar assim o resto da noite. Passaram-se alguns longos minutos, e nós (eu) ali naquele calor. Despertei-me do meu torpor por um gesto quase brusco do meu senhor, que levantou o braço para verificar a hora no relógio.

- Desça, cadela!

- Sim, Sr!

- Vai começar o seu treinamento. Não estamos aqui para namorar! Por isso preste bem atenção nas instruções que irei te passar. Gosto de cadela atenta e hábil. Eu terei que viajar, e você poderá ficar aqui, nesse apartamento ou retornar para sua casa. Você que escolhe. Dar-te-ei essa chance. Eu só retornarei dentro de 5 dias. Surgiu um imprevisto e eu preciso ir para o sul do Estado participar de uma reunião governamental. Está entendendo?
- Sim...

- Sim, não! Sim, Sr!

- Sim, Sr...

- Pois bem, se voltares para casa, quando retornar, eu quero encontrá-la aqui, neste apartamento. Nesse ínterim, deve observar as seguintes instruções: enviar 3 torpedos diariamente – quando sair para o trabalho, ao ir pra faculdade e ao retornar para casa e ainda sobre outro percurso que tenha feito. Não ter coito sexual com nenhum homem no período de 4 dias antes de um encontro comigo; ao me encontrar, não se alimentar com alimentos sólidos por 3 dias antes, apenas com suco ou água; não usar perfume, nem jóias. Tome banho normal, com sabonete. Use apenas uma discreta maquiagem, saia e blusa. Nada de calça ou sortes. Pelinhos aparados e farei uma lista de material que você deverá providenciar numa farmácia.

Que diachos! É mais difícil ser “cadela” que mulher! – pensei com meus botões...

- Quando estiver comigo, quero que fique sempre de joelhos e olhar abaixado. E Nunca, NUNCA olhe em meu rosto sem minha permissão.

Arregalei os olhos e levantei a cabeça olhando-o. Caraca, nem lembrei.

- Perdoe-me, Sr, desculpe-me, foi sem querer.

- Calma, minha menina, não estamos em sessão. Você tem permissão para me olhar agora. As restrições são para quando estivermos em sessão.

Mas eu nem ousava, mesmo “podendo”...

- Agora vamos...

Saiu na frente e eu atrás, claro, feito cadelinha abanando o rabo, seguindo ao dono, rapidamente... Ao chegar na porta do táxi ele pára e me olhar duramente.

- Não esqueceu nada, cadela?!

Busquei em minha mente o que eu poderia ter esquecido e num vi nada... Ele propositalmente tinha deixado um envelope volumoso no criado mudo, apenas para avaliar minha percepção. Até que eu vi, mas num sabia se ele para ficar ali ou não...

- Cadela desatenta!

Voltamos até o apartamento e ao entrar... plaft! Uma bofetada, afogueando meu rosto.

- Isso foi pela sua desatenção. Esse material eu tenho que levar. É importante. Quando eu retornar a gente conversará sobre essa falha.

Mordi os lábios e suspirei lá dentro. Tô fudida! digo... Tô ferrada!


sexta-feira, 21 de dezembro de 2007

CONTO - PARTE II

CONTINUAÇÃO


A Descoberta de Uma Submissa


- Cadela, tem muito o que aprender para se tornar uma sub. E eu vou tornar você na sub mais perfeita que possa existir. A melhor para mim.

Enquanto me olhava, passava suas mãos em seu membro rijo, grande, volumoso
- Abra a mão, quero que sinta em suas mãos o meu sabor... Mas não toque nele. Deixe-me eu mesmo te guiar...


Obedientemente abriu as mãos e sentir descendo seu gozo. Eu já não me detia em mim o meu próprio desejo, pela emoção do primeiro encontro. Aquele sim, era um dono que toda sub deveria possuir. Um Mestre real, um homem inteligente que se preocupava com a sua parceira de desejos e sonhos... E eu me entreguei aos seus cuidados. Ao seu desejo. Quando percebi estava vendada com um lenço de seda preta, de 4 numa cama alta e ele ao meu lado numa cadeira, totalmente nu.
Ansiedade, tesão, um misto de “venha logo, estou pronta!” e tudo o que esperava receber desse encontro. Senti o calor de são mão em minha anca. Plaft... plaft... foram algumas palmadas que me fizeram gozar...

- Que é isso cadelinha?

Vergonha de estar assim toda molhadinha para ele. Mas ao mesmo tempo eu estava feliz. Estava servindo ao meu DONO – o Dono de mim.

Divagava em meus devaneios e delírios, quando sentir uma mão tentando invadir minha intimidade. 1 dedo, 2 dedos, 3 dedos... Retraí-me , tentei fechar as pernas e recebi mais uma palmada...

- Por favor, pare! Não! (E nada dele parar, pois essa não era a safe – e eu lá me lembrava qual era a tal safe) Pare! Ta doendo demais... Por favor... (meus olhos começaram a lacrimejar e ele empurrando... até que lívida de dor clamei: “misericórdia!” Aí ele parou, pois num é que era justamente essa a tal safe esquecida?!
Um silêncio se fez...


- Meu Sr?...
- Levante-se, vou levá-la de volta!
Não! Eu não podia falhar. Eu não podia decepcioná-lo. Era esse o homem que escolhi para minha entrega.

- Por favor, desculpe-me. Por favor, continue de onde parou... – falei fracamente
Ele prontamente atendeu ‘meu débil clamor’. Pude pressentir um riso em seus lábios lindos. E forçou mais um pouco a entrada e viu que estava muito difícil. Eu comecei a sangrar um pouco. Tinha tudo bem apertadinho... Era minha primeira vez. Sabe como é essas coisas de sub virgem né?...


- Pode tirar a venda e vá até ao banho e faça uma ducha. Vá de joelhos, cadelinha!


Eu fui, escorregando em meu gozo e em meu sangue, parecendo um animal desengonçado, cheguei no box e fiz uma higienização da bucetinha que melada estava - gozo e sangue.

Voltei da mesma forma que fui de joelhos, escorregando para riso total dele. Ele estava sentado na cama com um cigarro nos lábios. Olhando para mim. Convidou-me a permanecer de joelhos ao seu lado, até terminar o cigarro. Minhas mãos servindo de cinzeiro. Deu-me um beijo na boca e pegou em meu queixo e disse:
- Pode olhar em meus olhos, eu permito. Quero gravar seu rosto inocente, quase infantil em minha mente, minha criança. Você tem um grande potencial para ser uma boa sub. É teimosa, de certo. Mas você é uma mulher feminina, tem desejos sm e resistência mental. Tem defeitos. Mas nada que um bom adrestramento não possa resolver. E eu vou te transformar na sub perfeita!

Levantou-me. Fez-me deitar ao seu lado. Aconchegou-me em seus braços e ficamos ali como se fóssemos amantes amados e não Senhor e submissa. Nunca me sentir tão pequena, precisando de proteção assim como, nunca me sentir tão importante. Estava nos braços do meu senhor! Meu anjo protetor. Imaginem!.... Esperava estar aos seus pés e ele me colocava em seus braços... Não podia desejar mais... Até mesmo porque...


CONTINUA ...

quarta-feira, 19 de dezembro de 2007

CARTA DE ENTREGA



 
"Querido Senhor,

Eu tenho de certa forma relutado, e pensado sobre tudo o que desejo nesse mundo meio louco sm. O Sr ainda é um mistério para mim. Sei muito pouco de seus desejos. De suas vontades. É um desconhecido que desejo conhecer... Mas mesmo assim eu estou indo ao seu encontro... entrando de olhos vendados e mãos atadas, guiada apenas pelo Seu querer... Totalmente entregue e protegida por tuas mãos...

Não sei quantas pertencem ao seu canil, mas isso não me afeta, nem me preocupa, porque eu não quero suas cadelas, quero apenas ao Sr. Provavelmente que tenha, sim, várias ‘cadelinhas’, pois um homem como o Sr não estaria indisponível...

A partir de agora estou aceitando seu querer. Estou entregando minha vontade aos poucos, abrindo mão de prazeres meus para torná-los prazeres teus... E espero que aqui seja o inicio de uma relação verdadeira, recíproca e eterna... se for possível. Caso não seja possível, como serva, rogo que nossa relação não seja abalada. Pois acima do desejo sm, há em mim o amor humano e quero nutri-lo pelo Sr, como homem e não apenas como Meu Dono e Sr. Por que o Sr desperta em mim meus desejos primitivos, de uma fêmea para com um macho.

Posso ser seu objeto, mas um objeto com sentimentos reais, com desejos que querem ser realizados...

Então, aqui estou entregando-me a ti... como uma flor, que será cuidada por um jardineiro... como uma rosa que precisa ser podada dos seus espinhos silvestres... e tornar-se a mais dela do jordim. Coloco meus sonhos aos teus pés... pise de leve, pois é neles que estarás pisando... Demais 'acessórios', entregarei quando da minha entrega oficial.

Que Deus nos abençoe e boa sorte a nós dois.

lambidas e xamegos
sua cadelinha"


terça-feira, 18 de dezembro de 2007

CONTO - INICIO


A DESCOBERTA DE UMA SUBMISSA


Foram vários meses para obter um pouco de conhecimento bdsm, através de leituras, acessos a sites, visitas salas, etc. Quando finalmente ele apareceu. Através de uma sala de bate papo de Internet. Foram alguns outros meses de conversa virtual e estabeleceu aquela confiança necessária entre dom e sub. Marcamos o encontro. Debaixo de muita expectativa. Finalmente iria conhecer “meu senhor”... Eu me sentia estranha e ao mesmo tempo ansiosa. Caramba, eu estou chamando de “meu senhor” um homem que sequer conheci ainda. Mas era assim que eu o via – Dono de mim. Ele decidiu me receber em seu recanto. Já estava tudo pronto para mim.

E lá fui eu para o aeroporto. Peguei minha bagagem, pouca coisa, pois ele disse que eu não iria precisar de nada e fui ao seu encontro. Desci do avião meio apreensiva e totalmente com a buceta encharcada. Medo e desejo. E o vi na sala de desembarque, já sabia que era ele pelas fotos e pela forma safada dele me olhar. Quase me desnudando. Deu-me uma vontade de voltar para a segurança da minha casa. Mas respirei fundo e fui ao seu encontro, cabisbaixa.

- Bom dia, sr!

- Boa tarde.
(Vixi perdi a noção da hora - realmente era de tarde - 16.23h)
Pediu minha bolsa, o que imediatamente recusei em dar, pois a serva era eu. Fixou-se em meus olhos e me sentir totalmente “bondageada” por ele.

- Vamos putinha! – disse ele

Pegamos um táxi ele colocou a mão em minha perna e levantou um pouco minha saia pequena... e ficou massageando minhas coxas. Afastou um pouco minha perna e com uma das mãos atrevida alcançou minha calcinha que já estava totalmente molhada... afastando para um ladinho; seus dedos foram avançando, afastando-a para o ladinho e senti-o me invadir com 1, 2 dedos. Escancarei mais as pernas e deixei-o lá. Mas já sabendo sou dele! Eu quero ele! Nem percebi quando chegamos co destino. – Já chegamos?!
- Desça! – ordenou

(Nossa! Esse dom é muito gentil. Estava totalmente embriagada pelo tratamento dele.) – Iludi-me...

Entramos em seu apartamento. Era em um hotel de muita classe, bem caro. Quando a porta fechou atrás de mim pensei: o que estou fazendo aqui com esse homem...? Nem terminei de pensar quando recebi a bofetada. Splaft! E mais outr
a. Splaft! Uma em cada lado do rosto. Levantei a cabeça e o olhei, em troca, recebi um olhar cortante:

- Quem lhe deu permissão para olhar para mim?!!!

- Desculpe-me, sr... – plaft!

Jogou minha bolsa sobre uma mesa sentou-se na cama e ordenou que tirasse seus sapatos e cinto. O que fiz prontamente, ainda trêmula.

- Agora tire a roupa que vou te examinar.
Arregalei novamente os olhos e tirei a saia e depois a blusa. Toda desajeitada, sem nenhum toque de sedução. E parei.

- Tire a roupa! Não ouviu? Tudo!
Tirei a calcinha e o corselet.
- Tire as sandálias também (de tirinhas até o joelho e alta) e deite-se de bruços vou examinar você.
Nossa! Quanta humilhção!
- Vira para o outro lado cadela! Agora vou examinar a parte de trás.
- Levante vá à porta e volte até a mim de 4.
Obedeci.
- Páre!
Ainda de 4 senti a primeira cintada na bunda.
- Comece a contar cada cintada que você receber.
A primeira suave, quase um carinho... mas a partir da segunda...5... 10...
- Ah, esqueci cadelinha, tem que agradecer a cada cintada. Vamos começar de novo.
- Não, por favor! Eu nunca apanhei assim...
- Vamos começar de novo. Conte bem alto!
- 1... 5...10...20 - o som da voz quase não saindo mais... a bunda toda marcada e alguns pontinhos a ponto de sangrar. Comecei a ficar extremamente excitada, comecei a escorrer pela perna, e para disfarçar esfreguei rapidamente uma na outra.
Ele lá me observando... Eu o sentia, mesmo sem olhá-lo. Acendeu um cigarro. Dois. Mandou-me levantar de olhos baixos e marcou na minha coxa, na virilha. – aiiii! (tenho pavor de fogo, de velas, essas coisas de 360º - odiei).
- De joelhos!
E lá ficou olhando meu rosto (eu de olhar baixo, trêmula). Senti sua mão passear nele. Levantou-se. Tirou toda sua roupa e ficou completamente nu. (Oh, vontade doida de olhar pra ele!) Senti sua respiração próxima à minha nuca. Ficou em pé em minha frente e disse:...

(CONTINUA)

sábado, 15 de dezembro de 2007

Desejo...

( Fátima Irene Pinto)
 
Meu corpo pede teu corpo
E pede com tanta avidez
Que só de pensar-me em teus braços
Estremeço, vibro, enlouqueço de vez...
Meu corpo pede teu corpo
E no simples toque de nossas mãos
Sinto arrepios, solto faíscas
Na exata medida da minha atração...
Meu corpo pede teu corpo
Meus lábios se abrem para os beijos teus
São toques, mordidas, suaves, vorazes
Teus lábios que sugam e devoram os meus...
Meu corpo pede teu corpo
Me aninho por inteiro no teu peito
Me enrosco, me encosto, me aperto, me achego
Te quero, te puxo, te sinto, te estreito...
Meu corpo pede teu corpo
São agora carícias atrevidas, sem pudor
São mãos que exploram ensandecidas
Nossos corpos que se entregam por amor...
Meu corpo pede teu corpo
Olhos nos olhos, fixos, perplexos, comovidos
Reluzem, brilham, explodem, espelham
Expressam toda a fúria dos desejos reprimidos...
Meu corpo pede teu corpo
E então estamos na mesma louca sintonia
Pulsando, vibrando, gritando de prazer
Em movimentos cósmicos, na mais completa alegria...
Estou assim dentro de ti, estou em ti
Num leito imaginário, em algum ponto do infinito
E tão grande, tão intenso nosso amor
Que o universo conspira silencioso ante nossos gritos ...

terça-feira, 11 de dezembro de 2007

CONVERSANDO

(Dom A)



"Eu quero a sub com seus valores, os mesmos que me fizeram gostar dela... sua vida privada é repleta desses valores; valores íntimos e pessoais, pulverizado de passado e história, história essa que é a soma de sua vida... eu apenas quero a pessoa... não uma alienada, submissa no sentido literal... isso não... quero uma mulher, uma PUTA MULHER... que não me deixe inseguro, perplexo, vendido... "

sexta-feira, 30 de novembro de 2007

Um DOM e sua submissa

(Autor desconhecido - adaptei)




(DECLARAÇÃO QUE TODO DOMINADOR DEVERIA FAZER QUANDO 'PENSASSE' EM TER UMA SUBMISSA. UMA MULHER SOB SUA PRAZEROSA PROTEÇÃO.)

Eu sou um homem dominador... 
Eu sou simplesmente isto, não sou dominador por nenhuma superioridade de minha parte. 
 
Não porque me sinto mais inteligente, ou sensato...
Eu não sou dominador pela massa ou força do meu corpo. 

 
Eu não sou, e nem gostaria de ser dominador com todas as mulheres... mas para você, eu sou um Mestre.

 
Eu sou seu Mestre somente após ter sua confiança, e abraçado sua submissão. 

 
Eu olhei dentro de seu coração e mente e claramente vi seus desejos e paixões... 

 
Você jogou fora seus medos, vergonhas e inibições, você me fala das necessidades do seu coração e corpo. 

 
Você me deu total acesso a sua alma, e eu aceitei a responsabilidade e a honra. 

 
Você é uma mulher e você não é inferior ou fraca por causa disto. Você é um tesouro para ser adorado. Nós não somos iguais. 

 
Eu tenho a força do corpo e da mente, e a necessidade instintiva de proteger, possuir, defender e prover por você. 

 
Você é uma mulher com instintos fortes de desejos e coração.

 
A sua confiança em mim me dá coragem e direcionamento, a sua força retira minhas dúvidas, suas necessidades e desejos me encorajam e dão propósito aos meus esforços. 

 
Nós não somos iguais, meu amor, somos metades de um todo... Nós completamos um ao outro e nos fazemos completos. 

 
O meu desejo de a dominar é instintivo. Não é para degradar você e nem é degradante para você porque você tem segurança em sua total feminilidade. 

 
Cada um de nós reconhece e aceita nosso valor, e a necessidade de alguém para preencher nossos desejos. Você está segura, forte e orgulhosa de ser feminina. 

 
Você não se submete em aceitação a inferioridade, mas por força e paixão. Você espera um Homem que seja forte e seja Homem. Você deseja florescer sob a força e o controle de um Homem. Em retorno você o presenteia com o controle sobre seu corpo, inqualificável confiança e honestidade, e a verdadeira fé de seu coração. 

 
- Você se submete porque eu conquistei sua confiança, porque eu abri meu coração e minha alma a você. Porque escutei suas palavras com os ouvidos e o coração, e aprendi a antecipar suas necessidades e sentimentos. E porque provei meu valor a seus olhos, você me deu o único e verdadeiro tesouro da vida = você me deu a dominação sobre você. 

 
O que você dá não é anormal, mas é o mais puro, natural e raro presente que uma mulher pode dar a um homem. Você me deu completa e inabalável garantia de seu compromisso comigo...

 
A sua submissão é um presente magnífico e uma responsabilidade sagrada. Eu aceito isto de você com humildade e alegria. Eu entendo a raridade e a pureza deste presente. Eu reconheço que é seu corpo e alma, seu coração e mente. 

 
Eu domino você somente porque você me permite, e quando a vejo ajoelhada em minha frente, na minha mente e em meu coração você esta suspensa acima de todas as outras mulheres, e de todos os tesouros do mundo, porque o que você me dá espontaneamente, não se pode comprar na vida.

 

SEDÚCEME


Sedúceme con tus palabras
sumérgeme en tu piel
ámame con tus caricias
aprisióname en tu cuerpo.
Que se eternice el tiempo
que se paren las horas
que se detengan los minutos
que se borren los segundos
Súbeme a tu cielo
húndeme en tu amor
méceme en tus olas
ahógame en tus besos
Bájame nuevamente
muéstrame tu pasión
fúndeme en tu deseos
acúdeme en tu éxtasis
Enséñame quien eres tú
poséeme mil veces
sedúceme nuevamente
hazme tuya para siempre...

eternamante tua...

quinta-feira, 29 de novembro de 2007

AROMA




Nossos corpos

tilintam um ao outro

Sintas o aroma do nosso prazer

envolves-me

em teus pecados sadistas

e em mim dilatas

um vulcão de delícias... 





segunda-feira, 26 de novembro de 2007

Toda Tua!


Tuas mãos, vivas, indecentes,
deliciosas, lascivas,
pouco a pouco me acordam,
me revivem, possessivas,
e ateiam fogo em minha alma,
acariciando, pegando, machucando,
me dizendo: tu és minha puta!
me tornando cativa do teu desejo.
Sim, sou tua,
me tomas como quiseres,
me amas, me fazes tua mulher,
tua cativa, tua cadela,
e me fazes feliz.
Tu me fizestes assim,
teu brinquedo, agora vivo em ti,
E eu, despida de orgulho,
entre teus braços,
nua, me entrego,
corpo, alma, coração, boca,
seios, ventre, razão.
Se, fora daqui, sou gelo e aço,
em tuas mãos sou apenas carne,
fogo, emoção,
para moldares a teu prazer
Venha!
Pulsando com teu corpo
dentro do meu,
nesta hora, sou amada, sou mulher,
sou tua femme, sou tua escrava
e sou feliz.
Totalmente toda tua!

sábado, 24 de novembro de 2007

Louco Desejo



(Michel H. Baruki )



Eu invento, imagino, te desejo,
e viajo nas galáxias dos meus sonhos,
te quero co’ um amor sincero e puro,
mas dentro do teu corpo que eu me ponho.
Quantas vezes te dispo, depois lambo,
vou dobrando as esquinas dos gemidos
e esgarças tuas coxas me ofertando teu cheiro
que me deixa enlouquecido.
É bom nadar em cima do teu corpo,
lamber o teu suor, beijar-te a boca...
virar com a língua o sexo pelo avesso
pra ver o teu olhar de ninfa louca.
Mas é dentro de ti que eu me derreto,
nós dois num só nirvana de paixão
e enquanto descansamos nossa fome
te beijo com o olhar da solidão.
Eu sonho meu amor, sonho contigo,
dormindo ou acordado eu te reclamo
mas dentro da distância destes versos
eu tento demonstrar o quanto te amo.

terça-feira, 20 de novembro de 2007

SUBMISSÃO

"Ninguém pode fazer você sentir-se inferior sem o seu consentimento."
Eleonor Roosevelt (mulher do presidente norte-americano que governou os EUA de 1943 a 1945)
A submissão numa relação BDSM é exatamente isso: uma concessão e, ao mesmo tempo, uma libertação da mente, do corpo e da alma... Por meio dela, podemos nos destituir de preconceitos, de medos, de incertezas, de moralidade e de outras tantas outras regras preestabelecidas. Descobrir-se submissa significa dar vazão a anseios secretos; ser servil; obediente e devota. Significa descobrir um mundo de prazeres infindos, além da real possibilidade de vivenciar a entrega da anima a outro ser, no sentido mais pleno da palavra. Sem dúvida, uma das mais ricas e fascinantes experiências eróticas que um ser humano pode explorar.

Vários são os subterfúgios empregados pelo Dominador para desnudar todo o potencial de submissão de sua escrava e, com isso, extrair os mais íntimos sentimentos e sensações, canalizando-os sempre para o prazer de ambos (Mestre e escrava).
A humilhação é um instrumento muito poderoso numa relação de Dominação/submissão. Tanto para o Dominador - que, por meio dela, doutrina, corrige e pune, como também, cuida de sua submissa - quanto para a escrava, que tem a oportunidade de demonstrar sua entrega, sua devoção e seu desapego a tudo que não seja o seu Senhor e as vontades dele. Não se trata aqui de auto-afirmação. É preciso lembrar que o conceito de humilhação nas relações D/s difere em todos os sentidos dos padrões constituídos nas relações normais. Nas relações de D/s a humilhação instiga, inspira e nos faz crescer.
Sem dúvida, uma experiência farta em diversos tipos de emoções. Com esse recurso, elementos fortes são tocados: auto-estima, autocomiseração, impotência, tristeza, insegurança, medo; e sensações físicas também são experimentadas (como as lágrimas que tanto escorreram dos meus olhos), a raiva reprimida nos gestos, mas impossível de ser disfarçada no olhar, a dor no estômago, a ânsia que faz meu corpo tremer sem parar, a impressão de estar rasgada por dentro, o ímpeto contido de correr sem rumo e sem parar e a certeza de que nada escapa aos olhos e à mente perspicazes do Mestre que observa, orienta, corrige, pune e ampara. E é exatamente dessa certeza que brota a vontade de superar-se, de agradar, de subjugar-se a qualquer custo, plena da confiança inabalável total e irrestrita daquela voz que ordena, daquelas mãos que guiam, castigam e afagam e daquele olhar que gela a alma, estarrece de pavor mas que é só prazer...
A cada humilhação imposta, a gente se convence que a angústia pela punição ou a alegria pela recompensa são prazeres indistintos. Nesses momentos, somos capazes de tudo para ver surgir aquele olhar (ah!!! aquele olhar....) o êxtase total. Nada, absolutamente NADA, se compara ao êxtase advindo da contemplação daquele olhar...

SENDO TODA TUA

(desconheço o autor - adaptei)
 
O toque de seda da chibata...
O tom aveludado do vergão...
As marcas de sua mão
Desenhadas em minha face e bunda
Refletem com o brilho de meus olhos
Os segredos de minha’alma
A mão que puxa a guia
É a mesma que acaricia
A que empunha o chicote
Que mostra o caminho da casinha
É a que presenteia com carinho
A que pune a rebeldia
Como é bom sentir-se amada, serva
Protegida, orientada
Ter os passos coordenados sabiamente
Disciplina, servidão
O prazer que proporciona
A vontade de servir
A quem domina, A quem não...

terça-feira, 6 de novembro de 2007

AJOELHADA

(§selena§)

 

Ajoelhada, adoro tua imagem
que se faz presente em minha mente...
Olhos fechados ...
vejo o brilho do teu olhar a me dizer:
ÉS MINHA!
Minha pele se abre
para receber o afago do teu chicote...
Meus lábios entreabertos esperam teu beijo...
Ajoelhada diante de ti
Entregue a teus desejos
Suscetível a teus caprichos.
Lágrimas caem dos meu olhos
molham meu rosto...
banham minh'alma
Que solitária
te procura nas brumas dos sonhos
É lá, apenas lá, em meus devaneios,
que te encontro
Com teu sorriso menino
Com teu olhar de Homem
Com tuas mãos fortes
a vasculhar meu corpo
em busca de tua femme
Ah, Senhor, Dono de mim!
por que não vens buscar tua escrava?
por que não me prendes pela guia
bem perto de ti?
Preciso sentir tua presença,
Preciso sentir teu cheiro
Preciso sentir teu domínio sobre mim...
És meu Dono, meu Senhor,
És meu amor!
Vem, e enche esse vazio que me consome...
Vem e me faz inteira novamente...
Te pertenço, sou tua propriedade...
Então vem Senhor e Dono de minh'alma
v
em e toma conta de do que é teu...


"Espero por ti!"

segunda-feira, 5 de novembro de 2007

ORAÇÃO DO PROFANO AO SAGRADO

(Vânia Moraes)


És tu Senhor...
Aquele que traça a história de minha vida,
em cada poro servido a ti.
Sou lascivo querubim em teu leito desnudo,
com penas e asas queimando

no fogo profano consumindo tua cama.
Entrego-te a servidão de minha alma
no anseio que me faz vadia
em detrimento do teu prazer
entrelaçado no silêncio de tua ordenança.
Gosto do jogo,vergões em fogo,
tatuagem na pele suada,
simbiose de tortura e prazer
no banho de língua que dás
na fêmea oferecida a beber o sangue,
a beber o cio...
Pequeno córrego por entre as pernas,
sinal sagrado da ( im ) perfeição humana.

Ah, amor que me alucina! como queria ter-te de fato para poder me oferecer! oferecer esse prazer, esse cio que jorra em mim...

sexta-feira, 2 de novembro de 2007

Anjo Alado

(Samarago)


Por mais que me envolvas em teus braços…
Por mais que me vendas os olhos…
Por mais que amarres as minhas asas…
Por mais que beba do meu néctar…
Por mais que sinta o suave trespassar,
Dos teus dentes no meu corpo de femme…
Estou sempre à mercê ao teu encanto…
E enquanto sacias no meu corpo,
A tua sede sempre infinita...
Bebo o teu gozo sinto-o trespasso o meu corpo,
De Mulher que te pertence
Com tua lança encontras dentro de mim,
Um desejo quente e iluminado...
Um paraíso pronto a florir…
Nesta mítica batalha dos nossos mundos opostos,
Sabes bem porque estou aqui…
Quando me envolves,
No aconchego das tuas asas,
Mas, nunca serei o teu Anjo caído…
Sou uma Guerreira de Luz.
Sou um Anjo alado.
Que voa sempre em tua direção...


(Fiz algumas adptações para traduzir o que quereMOs)

quinta-feira, 1 de novembro de 2007

Virginal

(dombeholder)


Ó serva intocada
Mulher menina assustada
Diáfana perdida indecisa
Sozinha trancada calada
Desejo de colo e calor
Desejo de coito e ardor
Desejo de guia e de voz
Desejo, não de um, mas de nós
Então, pequena odalisca
Aceite esta ode à conquista
E encontre-se pois nas estrofes
De suas dúvidas atrozes
Depois de sua descoberta
Depois da verdade e mais nada
Esteja segura e certa
És minha, só minha, calada

terça-feira, 30 de outubro de 2007

Invade-me!

quando sinto tua boca
invadir meu vulcão oculto,
viajo contigo
pelo mundo dos prazeres...
Entre!

domingo, 28 de outubro de 2007

Luxúria

(Paulo Mont'Alverne)

Quero descobrir

Teu corpo, teu suor
Percorrendo, correndo
Sem pressa os instintos.
Deixar mãos
Colarem pernas
Marcarem seios
Rasgarem bocas.
Quero tua descoberta
Feita em meu corpo
Na luxúria nossa de cada dia.

"Abro-me em flor
Para colher meu beija flor. "

sábado, 27 de outubro de 2007

Apenas Sonho Sonhado

(vava) 

Tentei te esquecer
não consegui
respiro aMOr por você
tudo me lembra você
a lua no céu, solta, livre
lembra-me do aMOr
que não tive
que nunca foi meu
que pena, amado
estou só, à sombra
sombra de um sonho a dois
sonhado por nós
nós... só lembranças
nós... saudade
nós éraMOs nosso desejo
ou o meu desejo
não sei,
dúvidas me rondam
lágrimas caem
seus beijos não as secam
você está distante
desistiu de nós
ficou a lembrança
... de nós
a vida é cruel
ou cruel soMOs nós
ficou o adeus
de uma despedida
que não houve
porque nós
não foMOs nós
foMOs sonho
sonho de nós...

quarta-feira, 24 de outubro de 2007

Meu Corpo Arde... Por Ti



(Foto: Blue Art Nude - Pypcia)
Não é por teu sorriso,


nem por tua voz

Que meu corpo treme

Meu corpo treme

desenvergonhadamente

por tuas mãos

E arde em sentir teu chicote

Em açoite...

Meu corpo arde

por te sentir...

Meu corpo treme

por teu contato...


quinta-feira, 18 de outubro de 2007

Provei-te... Ah, Provei-te!... Aproveite

(Ricky Bar)


E encontrei o prazer no teu corpo
Perdi-me nos teus lábios,
Encontrei-me nas tuas mãos.
Nossos corpos bailam juntos
É fogo que queima o desejo
E que arde em cada toque.
Ah...essas coxas em minhas coxas,
Encaixe perfeito,
Essa tua boca no meu brinquedo teso
Me levando a loucura,
A mais gloriosa aventura!
Teu gosto, teu cheiro...
Transforma tua menina
Nessa amante devassa, amante completa.
Agora vem...excita meus pensamentos
Acalma meus tormentos,
meus sonhos delirantes
Venha
Sou tua caça...
Sem resistência me entrego a ti, caçadora!

terça-feira, 16 de outubro de 2007

Queria Ser Teu Cafajeste

(Daniel Fiúza)
 

Queria ser teu cafajeste
E povoar teu sonho erótico
Te prover de prazer celeste
Ser tua paixão no aMOr exótico.
Queria provar teu corpo inteiro
Com minha língua te deliciar
Em teus gemidos ser parceiro
E nos teus gozos ser o teu sonhar.
Queria beber tua doce saliva
Sugar teus seios bicos salientes
Entre tuas pernas te fazer minha diva
Na minha boca em gestos indecentes.
Queria tua boca me provando
Sentindo minha força pulsante
Tesão em mel se derramando
Na explosão do prazer de amante.
Queria te sentir toda MOlhada
Para te possuir com meu vigor
No teu gozo de mulher amada
Também explodir nesse teu sabor.

segunda-feira, 15 de outubro de 2007

Após o banho, Nua

( Fernando Py )


Após o banho, nua ainda,
o corpo úmido ao meu encontro, visão,
relembro, cálido êxtase,
os seios entrevistos no decote frouxo,
agora, nua, toalha MOlhando-se,
ressurgem após o banho,
fremindo, suave embalo,
avidez de língua e mãos, nua,
vens, perfume, sulcos na pele,
ansiada espera, curvas,
a entrega ao meu olhar,
bocas, rosa túmida,
pétala, sucção, espuma,
resplandeces para mim,
nua, após o banho.

Meu Corpo - Teu Ninho

(paixãoimortal)


A simples lembrança dos teus dedos na minha nuca me arrepiam
Teu cheiro me habita a alma e meu peito,
arfante, te recebe.
Me abraça, vem dormir comigo
Me ajuda a apagar do peito aquela dor do querer.
A noite se instala em mim.
Lá fora, apenas o silêncio da noite do teu olhar.

Vem.
Ocupa com teu corpo esse abrigo que te chama.
Volta a ser minha Morada, teu abrigo
Faz de mim tua caverna, teu porto seguro.
Faz do meu corpo teu ninho.

Atordoada pelas saudades crescentes,
meu corpo todo se ouriça à tua procura.

sexta-feira, 12 de outubro de 2007

Quero um aMOr assim...

Quando estiver contigo
quero um MO irreverente
Que me pega nos braços
que enfeite meu corpo com o seu corpo
que agite mil loucuras dentro em mim
Quero um MO impaciente
Impaciente em me tomar,
em me ensinar...
Eu quero um MO
que seja para eu amar, amar eternamente...
Quero um MO que seja você, MO!

segunda-feira, 8 de outubro de 2007

aMO o aMOr

(Fernando Pessoa)
AMO como ama o aMOr
Não conheço nehuma
outra razão para amar,
Senão amar
Que queres que eu te diga
Além de que te aMO,
Se o que quero dizer-te
é que te aMO?

terça-feira, 2 de outubro de 2007

Eu me Perdi de aMOr

(Rosa Cleide Marques)




Eu me perdi no teu cheiro, na tua boca,
no teu beijo de amor e tesão...
Eu me perdi no teu sorriso, na sua calma,

no seu jeito de ser, na tua paixão...
Eu me perdi na brisa que te acalenta,

na grandeza do teu ser, na tua imensidão...
Eu me perdi no seu calor, no seu aconchego,

no seu olhar, na tua sedução...
Eu me perdi na tua boca úmida e quente...
Eu me perdi na total entrega

e me encontrei em ti...
...Eu me perdi de amor...

segunda-feira, 1 de outubro de 2007

Maliciosamente...

Quero tocar os meus lábios
Maliciosamente nos teus
Passear minha língua por tua boca
E sugá-la com todo tesão
Cobrir com minha pele quente
Este teu corpo chocolate branco...
Quero aspirar esse teu cheiro de homem
E nesse meu jeito de menina safada
Mostrar-te que sou uma mulher atrevida
Com esse teu olhar sedutor
Desnorteando meus sentidos...
Com tuas mãos maliciosas
Explorando este corpo chocolate marrom
Fecho meus olhos
E realizo os teus mais loucos desejos
Desvairado de tesão...
Quero elevar-te às alturas
Apenas para ver o teu rosto
Enlouquecido de prazer
Possuindo-me com toda tua volúpia
Misturando o teu... no meu...
E num abraço total
FundirMO-nos num orgasMO.
E só...

quarta-feira, 26 de setembro de 2007

Busca

Olhar profundo
Alma sedenta de paixão
Um caminhar para a busca
De um encontro real
Que o destino reserva
pela vontade dos deuses
lábios de mel
olhar de gueixa
pele suave...
ah, coMO quero ver-te
traduz inspiração
domínio, sedução... prazer
venha!
Revela-te mais
Deixe-me senti-la em sua intensidade
PartaMOs para o fim do mundo
E reinicieMOs nossa busca
Aprendendo, descobrindo...
Descobrindo nossos corpos
E cobrindo nossos desejos...
Vale a pena desfrutar
Dos MOmentos
Do corpo que faz delirar
Teu olhar...
Ah! teu olhar de menina sapeca!...

segunda-feira, 24 de setembro de 2007

MOça MOrena

(pequenosdelitos)

MOça MOrena, brejeira, cheirosa…


Confesso que não esperava,

pois ainda nem é primavera.

“No entanto, que espiritual

Você me dar uma rosa

De seu rosal principal”

E que bela flor tem essa MOça,

morena, brejeira, cheirosa…

CoMO se não bastasse,

ela sabe traduzir fogo em palavras

e eu a leio com o sangue fervendo nas veias,

o pau pulsando

como se meu coração estivesse nele,

e não no peito.

sexta-feira, 21 de setembro de 2007

Amante Perfect

(desconheço o autor)

Eres el hombre, el amante perfecto,
tus manos semejan la pluma del poeta
y escribes en mi, todas tus letras.

Letras de deseos secretos,
de fantasías y anhelos
que yo sutilmente interpreto.

Llegaremos al mas intimo deseo
y sentiremos la exposición dos
cuerpos, sudorosos, ávidos uno del otro.

Mi cuerpo se estremecerá
y tu llegaras aun mas lejos,
estarás en mi,
y yo... desfalleceré
en este erótico momento...

Perfecta seducción,
donde yo me entrego,
donde afloran las fantasías
y mis más intimos secretos...

Átame a ti,
enrédame a tu cuerpo,
dame esa pasión que en tus ojos veo.
Pasión de cuerpos,
de llenos de deseos.

terça-feira, 18 de setembro de 2007

ENTRE NÓS E LAÇOS





Ah, a paixão...
Prende-nos em armadilhas libidinosas
Envolve-nos com mantos de desejos...

(....)


E nós submissas,
não nos desviamos das suas artimanhas
Provocamos e
nos aconchegamos em seus braços...
Em seus nós...
Em seus laços...

Corpos nus...

(Benquerer)

Mãos que se procuram
De extremo a extremo
Entre as sombras.
A pele é incensório
Onde se acendem beijos.
Um caminho tortuoso
Que conduz à pétala suprema,
Aberta... Húmida... Dolorosa...
Ao Monte da deusa... Vénus...
Dedos trementes,
Buscando mistérios.
Vermelho de flor e carne...
Gotas de suor...
Sem sangue
O vaivém de dois corpos,
A humidade dos sexos ,
Um gemido na garganta...
Dois corpos satisfeitos...
Aberta, fica a flor
E dobrada a coluna
O segredo do amor...
A luz que ilumina...

meu Sr tu iluminas meus desejos e me fazes refém do teu querer.

terça-feira, 11 de setembro de 2007

AMANTES

(Mariângela)

Palavra magnífica que tanto resume, tanto inspira, tanto excita: amantes.
Ato grandioso que tudo inclui, nada recusa e tanto fantasia: amar.
AMOr de amantes, diferente de tantos outros, mais lindo, mais terno.
O aMOr de amantes que tudo permite, mesmo aquilo que em outros aMOres é negado.
O aMOr de amantes que nada esconde, que nasce do desejo e dos segredos.
Desejos que não se falam e não se explicitam, que só surgem nos MOmentos certos.
Segredos que não se revelam, que não se falam, apenas se executam.
Bocas que se procuram e se abrem e fecham umas nas outras, ventosas de prazer.
Línguas que se dobram,se tocam, penetram, se enrolam, trocam fluidos.
Coxas se enlaçam, pelos se enroscam, suores adoráveis, cheiros, sensações.
Viscosidades, corpos que deslizam um no outro, óleos prazerosos, odores.
Perfumes fortes, viris, mesmo em aMOr de amantes.
Posições fortes e frágeis, gemidos e ordens, palavras obscenas, sons guturais.
Olhar perdido, esgazeado, olhar firme, direto e duro.
Boca entreaberta, sussurra, beijo forte e possessivo, lambida nos lábios.
Mãos que dominam, seguram pelos pulsos, iMObilizam, hora da MOntada.
Coxas que comprimem um rosto afogueado no seu meio.
Um corpo que meneia, que rebola e possui, domina.
Outro que serpenteia, se contorce e aceita, entrega submissa.
Uma língua que sente, uma boca que se transforma, uma buceta que prevalece.
Dominação. Coisas de amantes. Gozo.
Boca que procura, que desce ágil e pressurosa, lambendo.
A barriga, a virilha, os adoráveis pelos hirsutos e cultivados para o prazer.
Dedos que abrem lábios, a língua que procura e acha o ponto certo.
Uma língua que sente o pulsar crescendo, sente a coisas que não se controlam.
Sente o corpo do outro sem medida outra que não o prazer extremado.
E lhe dá todo o prazer possível, sentindo o outro em tremores, pernibamba.
Desfalecendo, arfando e mais pedindo, coMO se possível fosse ir mais fundo.
Goza. Finalmente se encaixam, um ao outro com ajuste perfeito.
Olhos nos olhos. Amantes...

domingo, 9 de setembro de 2007

NUANCES DE UM ENCONTRO - CONTO -


Todo homem e mulher aspiram e desejam um momentos de entrega, de paixão...
Tudo começou com um contato inesperado. Sonhado, tocado... O tempo foi o inimigo. O medo foi o atraso. As distâncias foram superadas. A ansiedade controlada. Um misto de medo e tesão. A espera. Os preparos. A chegada. O desejo. A entrega.
15 dias de expectativa que desencadeou num desejo insano de comer chocolate. Pulando uns 7 quilos a mais. Merda! Mas tá decidido. Iríamos ao finalmente, sim, Sr.

Todo o preparo de coisinhas de mulher foi em vão. Nada foi utilizado. Adeus camisolas de seda. Adeus mini saias. Adeus calcinhas fio dental de rendinhas. Adeus corselet. Adeus calça liga. Adeus meia arrastão. Adeus salto alto. Uma mala de inutilidades... E muito frio.
De cara já senti o tamanho do seu desejo. Seus dedos atrevidamente tentavam me invadir... Cheguei ao nosso ‘habitat’ totalmente pronta, jorrando... uma gruta que se tornou uma fonte jorrante...
- De quatro!
- Sim, Sr – assim meio relutante, mas obediente.
Como foi delicioso senti-lo dentro em mim, me aquecendo de uma forma tão dele, tão gostosa. O seu vai vem me fazia vibrar e quase chorar. Dor e tesão num mesmo momento. Às favas com a dor.
- mais... mais... – pedia eu. Ahhhhh!!!!! Um lado masoca?!! Que que é isso? Insanamente a boca pedia o que o corpo desejava: sentir o contato do Dono. Sentir o Dominio do Mestre. Sentir que quem manda é Ele. E ele fazia mais... até senti-lo derramar dentro em mim... delícia!... Que homem gostoso. Mas eu queria ainda mais... queria sentir seu sabor em minha boca. queria aquece-lo com meus lábios...

Sua voz autoritária, seu olhar prescrutador... dava vontade de fechar os olhos e esquecer o mundo e me jogar aos seus pés e lá ficar beijando, cheirando, servindo... como Tua escrava que sou. A ti pertenço. Sentir o calor de tuas mãos em minhas ancas. O cheirinho de couro do teu cinto e depois o seu sabor quente passeando pelas pernas e bundas... o frog com suas pontas deslizavam em minha gruta, fazendo delirar não de dor, mas de desejo. O teu carinho. És um homem encantador.
Totalmente encharcada para depois te sentir me invadir sem dificuldade... pois estava naturalmente lubrificada, jorrante... durante todos aqueles dias em que pude estar à Tua disposição para Te servir. Pois nada sou além de tua serva. Viverei para teu prazer.
Queria mais... ir mais além. Aprender mais. Fazer mais... Ah! mais o tempo. Maldito o tempo que nos impedira de ir mais. De conhecer mais, de entregar mais... Preciso ser explorada. Preciso ser ensinada, corrigida... Preciso do meu Sr...
Ficará sempre a porta aberta para outra oportunidade. E dessa vez o tempo não fará escapar o desejo guardado pronto para ser entregue, usado por você, Sr.

tua eternamente...