<                           

























terça-feira, 28 de junho de 2011

EL PERFUME...

Graça da Praia das Flechas


Dejes los besos tuyos
Por mi cuerpo desparramados
Con estos tus labios
Carnosos y mojados.
Me pone en polvorosa
Pues de tu boca
Exhala un perfume de rosas
De aquellas color de carmín
Yo te suplico Amor
Las planté en mi lindo jardín.
Jardín este
Que solamente tu puedes entrar
Pues queda en un precioso lugar
Preparado para recibirte
Vendrás vestido con tu dulzura
Apreciarás de mis flores
La completa hermosura.
En este laberinto de placeres
Que es mi paraíso exótico
Tu lo regarás con tus besos
Dejándome mojada de deseo
Aspirando de mi cuerpo
Toda la esencia
De este perfume tan erótico.

A SENSUALIDADE DA SUBMISSÃO MASCULINA










o ápice da sensualidade
 

um homem assim

totalmente subjugado!!!!

Imaginação vai loooooooooongeee!

quinta-feira, 23 de junho de 2011

SONETO DO AMOR MAIOR

Vinicius de Moraes- 1938



Maior amor nem mais estranho existe
Que o meu, que não sossega a coisa amada
E quando a sente alegre, fica triste
E se a vê descontente, dá risada.

E que só fica em paz se lhe resiste
O amado coração, e que se agrada
Mais da eterna aventura em que persiste
Que de uma vida mal-aventurada.

Louco amor meu, que quando toca, fere
E quando fere vibra, mas prefere
Ferir a fenecer – e vive a esmo

Fiel à sua lei de cada instante
Desassombrado, doido, delirante
Numa paixão de tudo e de si mesmo.



quarta-feira, 22 de junho de 2011

SINAIS



Luan Santana
Virei um louco, meio obcecado
Pra te encontrar em algum lugar do mundo
E mesmo sem nunca ter te tocado
Me pertencia, bem lá no fundo
Sinais, me mostraram o caminho até você
Vagalumes guiam-me sem perceber
E no fim da estrada uma luz parece ser você
Sinais, me ajudaram a perceber o meu caminho é você
E ninguém no mundo vai fazer eu me sentir de novo assim.


terça-feira, 21 de junho de 2011

CHAMAS-ME...



EU VOU...

SUFOCA-ME DE PRAZER!

ESCRAVA E SUBMISSA - O QUE VOCÊ É?




vani{Mestre Lion}

A mando do Dono, fui procurar o que significa o que é escravidão e submissão.

“A escravidão é a prática social em que um ser humano designado proprietário, tem direitos de propriedade sobre outro designado por escravo, ao qual é imposta tal condição por meio da força. O dono ou proprietário pode comprar, vender, dar ou trocar por uma dívida, sem que o escravo possa exercer qualquer direito e objeção pessoal ou legal.

SUBMISSÃO significa estar disposto a fazer a vontade de outra pessoa, mesmo que esta vontade vá contra os nossos próprios desejos e interesses. Ser submisso exige muita humildade, pois significa reconhecer a autoridade de outra pessoa. A etimologia da palavra -seu sentido ORIGINAL- é "estar abaixo da missão" de outra pessoa, tem a ver apenas com obediência inquestionável.”



Escrava
Para ter uma escrava, o Dominador tem que conquistar sua servidão, e depois dominá-la. Neste relacionamento, não há negociação, e muito menos safeword. Após a posse, a escrava fica totalmente entregue aos prazeres e ordens do Dono, e 24 horas disponíveis para o Dono. (Dificilmente uma mulher compromissada, é escrava. Normalmente ela é submissa.).

Uma escrava não precisa necessariamente ser masoquista.
Esta relação é mais intensa, a pressão é maior, e a entrega é total e plena.

Deve-se ter o maior cuidado para quem a escrava se entrega porque o Dono terá controle total da relação, inclusive as práticas das sessões, onde Ele controla os limites da escrava.

Para dominar uma escrava, o Dono tem que ter total auto controle, equilíbrio, bom senso e força. Tem que saber mandar, ter objetivo do que quer e sentir prazer.

A escrava serve porque lhe dá alegria e felicidade, em ver o Dono feliz.






Submissa
Para ter uma submissa, o Dono a seduz, conquista e depois domina. É feita a negociação antes da posse, existe a safeword, e questiona algumas ordens. Não tem necessidade de estar 24 horas disponíveis ao Dono. Normalmente existem mais submissas que escravas.

Uma submissa pode vir a ser com o tempo uma escrava, ou nunca chega a ser uma!

Submissa questiona ordens, faz questão de falar do seu amor ao Dono.

Mesmo com negociação e safeword, a submissa também deve ter cuidado em selecionar seu Dono, uma vez, que temos atualmente os Dominadores e os “mandadores”. (falaremos mais tarde sobre os mandadores).

A submissa serve para agradar o Dono.

Eu sou uma escrava e você?

sexta-feira, 17 de junho de 2011

A ENTREGA

 A entrega baseia no prazer de se doar pelo submisso(a) e no de comandar 
pelo(a) dominante.
O D/s deve ser visto como um jogo erótico de adultos.


quinta-feira, 16 de junho de 2011

OS HOMENS QUE AMEI - APENAS UM SONHO




Desde  muito pequena, na minha mais tenra  idade, lá naquela cidadezinha interiorana eu já me sentia  uma guria muito sentimental. Eu era apaixonada pelo amor, pela paixão. Envolvi-me com livros de histórias românticas, onde os personagens sempre amorosos me inspiravam. Eu me apaixonei pelo amor, pela paixão, pelo homem. Cresci sonhando encontrar um homem que traduzisse a concretização desses sonhos.

Apaixonei-me aos 7 aos por aquele que seria meu primeiro namorado, eu  fui me preparando para ele, porque eu desejava ardentemente  abraçá-lo, cheirá-lo, beijá-lo. Ele era mais velho 8 anos. Mas isso não me importa muito. Ele era minha escolha. Fantasiei beijos, danças, abraços e até casamento com ele. E, finalmente, quando cheguei aos meus 14 anos, com um corpo de fêmea bem definido, na ânsia de adolescente  de ter o primeiro namorado, eu fui àquela festa, E lá ele estava. Olhar penetrante, cílios longo demais, nariz reto, boca cheia, sorriso lindo e aquele cigarro. Detestava o cheiro de cigarro. Mas isso era secundário. Ele era o principal. 



Ele se aproximou de mim e ao pé do meu ouvido me convidou para aquela dança. Nem precisei pensar, fui e de corpo colados passamos uma, duas, três danças quando ele sussurrou: quer namora comigo? O coração que já batia em ritmo descompassado, agora acelerou mais ainda. Era tudo o que queria. Ficamos parados no meio do salão, enquanto a música servia de testemunha e disse timidamente: sim. Meu primeiro amor, meu primeiro “homem”. Tudo  foi muito bem até o dia em que ele partiu para outra região e eu fiquei esperando por vários anos, (odeio esperar!) solitária (também odeio solidão!). E finalmente ele voltou, eu tinha crescido um pouco mais. Mas continuava aquela virgem sentimental, sonhadora. Para me machucar foi namorar com uma “amiga” conhecida, na pracinha que fica em frente à minha casa. Perdi o chão. As lágrimas me fizeram companhia.  Foi decepcionante essa forma de agressão sentimental. Fiquei com medo de amar. Nunca mais eu quis amar alguém, com medo de chorar, com medo de perder.

Anos se foram e eu entrei em meu clausulo sentimental, colocando muros de proteção ao redor do meu coração, fechando os olhos para  o amor. Até que numa noite de julho conheci o Comandante.  Agora, achava eu, estou pronta. Fui envolvida, fui me envolvendo e amei como nunca se amou. Na minha pureza de mulher, com princípios rígidos, impetrados pela criação que meus pais me deram, sempre fui me resguardando para o homem certo, o momento certo.

Vou pular os detalhes...



Então, um certo dia me deparei com Contos BDSM. Uau! Que era esse tal BDSM?  Fui atrás. Que  delícia. Ali entrei e fiquei. Queria mais. Identifiquei-me na hora com tudo. Agora não queria um amor, nem um homem, queria um dono para amar. Achei que seria fácil, que bastava querer... Nem sempre querer é poder. Eu amei  o BDSM. Ansiei viver todas suas expressões e extensões. Fui abrindo mão de uma vida "convencional", de namorado, de marido, de paradigmas, de tabus da sociedade, enfim.  Hoje mulher feita, inexperiente de muitas vivências, ainda me sinto aquela menina sonhadora. Sonhadora em amar; amar diferente. Amar um dono. Amar um homem – meu Sr. 

Hoje, continuo com medo de amar, porque todos os homens que amei se foram de alguma forma. Amar é ruim. Faz chorar, faz sofrer, faz perder... uma verdadeira inversão dos sentimentos, da afetividade. Por isso fiz minha tese nesse tema: afetividade inversa.

Eu agora, mais que nunca, tenho medo de amar.

APENAS UMA FORMA DE ENTREGA

SANDALIA DE TIRINHAS

EXPRESSÃO DE DESEJO










quarta-feira, 15 de junho de 2011

SAUDADE



 Eu tenho uma saudade reprimida
Que sangra em meu peito na hora da partida
Tua distância me perturba
Me causa dor, me alucina
Chega-te mais, Sr!

MARKAS DO SPANKING

UM HOMEM SUBMISSO AO PRAZER DE DOAR-SE

FEET

PREFERÊNCIAS...



UM MUNDO BDSM



"Eu construi um mundo de sonhos e desejos BDSM, firmada na doce ilusão de que era fácil querer servir. Não basta querer. Afinal, não é apenas um fetiche; é um mundo; não é um estilo de vida; são vidas envolvidas uma com a outra, em mesclas de confiança, exposição, revelações. Tudo de forma consentida. Consensual" (y).

terça-feira, 14 de junho de 2011

UMA LAMBIDINHA.... UM PRAZER

A MULHER ESCRAVA COMO OBJETO SEXUAL

Jorge D.


Um Pouco de História 


A sexualidade possível à senhora é aquela que lhe impõem as relações familiares patriarcais, norteadas pelos rígidos preceitos religiosos e morais. A escrava escapa a essas determinações que cerceiam as mulheres de classe dominante; sua sexualidade não está a serviço da procriação e da reprodução ideológica da família branca. Estar fora do círculo familiar e do jugo patriarcal sobre ele exercido representa, para a escrava, estar além dos limites e normas que regulam a sexualidade da mulher branca. A sexualidade da escrava aparece para o senhor livre de entraves ou amarras de qualquer ordem, alheia à procriação, às normas morais e a religião, desnudada de toda série de funções que são reservadas às mulheres brancas, para ser apropriada num só aspecto: o objeto sexual. As escravas aparecem aí sem honra e sem religião, ou seja, totalmente à margem dos padrões morais e religiosos dominantes na sociedade. A utilização sexual da escrava pelos senhores, determinaria, em grande parte, o tipo de relação que cada membro da família patriarcal estabelece com ela. Assim, às escravas também passam ser as iniciadoras sexuais dos filhos do senhor. As relações sexuais entre o filho do senhor e a escrava parecem ter sido discretamente consentidas pela senhora. Mas, que tipo de relação sexual poderia emergir entre seres igualizados sob o chicote? A escrava era obrigada a ceder os desejos libidinosos se seu senhor para não se expor, com a recusa, a toda sorte de torturas; não poderia guardar a honra de sua filha, nem mesmo a sua contra tentativas do seu poderoso senhor e nem o escravo poderia queixar-se da infidelidade de sua mulher, e vingar-se de seu sedutor.


 

SECRETARY



UM DOS MEUS FILMES PREFERIDOS.
JÁ O ASSISTI UMAS 10 VEZES. 
ADOREI A SENSULIDADE DO DOMINAÇÃO DESSE FILME
A SUTILEZAS, O DOMÍNIO, A SUBMISSÃO, A ENTREGA,
O ENCONTRO DE PRAZERES, DE QUEM DAR E DE QUEM RECEBE...

DOMINAÇÃO

Mestre K@

  "Dominação 
é a arte 
ou  
habilidade 
de insuflar-se 
em quem se gosta 
um desejo - Tesão - 
tão intenso 
que ela fará qualquer coisa, 
a qualquer hora, 
em qualquer lugar, 
apenas para satisfazê-lo"