<                           

























quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

SOMENTE PARA FETICHISTAS






A ESCRAVA LIVRE

y






 Alguns anos atrás  assisti a uma novela da literatura brasileira chamada da “A Escrava Isaura”, onde narra uma bela história de amor e entrega,  entre uma escrava e aquele a quem ela dedicou seu amor, interferida pelo seu sádico dono, proprietário da sua vida, mas não do seu coração e amor.

Hoje as histórias de amor pouco diferem das histórias antigas.

Isso nada tem a ver com o mundo bdsm. Mas não deixa de ser alusivo por conta da relação sádica (em geral dos donos) e da submissa (da escrava).

Quanto ao masoquismo,  é um reflexo do prazer de quem ama a dor. Todos nós, de alguma forma  temos uma pincelada de masoquismo em nosso ser.

Uma serva bdsm é uma masoquista em potencial. Mesmo que não “ame” e pratique a dor. Mas o prazer provocado pela entrega àquele a quem ela dedica sua servidão  está acima da dor. A dor é prazer. A dor é algo fora do comum. Mas concomitantemente ela se torna parte integrante do momento. É anexada  e  se torna una com o prazer.

Por exemplo, a dor provocada por um fisting vaginal onde tudo parece que vai arrebentar dentro de suas entranhas, com uma sensação de invasão proibida,  dolorosa, desmaiante, até o “corpo estranho” ser indexado no seu íntimo causando uma sensação indescritível e  louca de um prazer diferente. Um desejo de que seja mais e mais penetrante. Uma mão se abrindo dentro de si. Como se fosse tocar seu coração. Puxar suas entranhas. Provocando uma vontade de “prendê-la” dentro de si com contrações e espasmos.

Você  vai além do que pudesse imaginar  ir. Isso se chama superação de limites, ou quebra de limites. Adoro quebrar limites. Porque sei que posso ir além. Adoro a simbologia do “arcris”. Porque me induz a avançar. A não parar. A desafiar. Adoro as palavras do mestre quando diz   coisas mais ou menos assim “te vire; sofra; treine”... “a dor é sua... o prazer, é meu...”  E na minha dor, sinto o prazer dele, sinto o meu prazer, que logo se transforma em descontrolados espasmos de tesão. 
 Incontroláveis!...  Como se pode pedir para não se gozar quando só um toque seria suficiente para isso? Quando mais uma invasão de prazer duplo?

Delírios.  Delirei...
 Mesmo com o tempo sem  tempo. Mesmo na corridinha do tempo... Esperar por esse momento foi sublime. Manhã. Meia Manhã. Meio Dia. Tarde. Meia Tarde.  Noite. Meia Noite... Todos os momentos ansiantes e aguardados.

Presente de Natal? De Ano Novo?  Um sonho realizado.

Sempre será bom o que vem do Mestre... 


A ESCRAVA E SEU BRINQUEDO




A ESPERAR POR TEU PRAZER...






quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

SOMOS NÓS

y






é assim que te quero, 
é assim que me quero a ti

e só deixarei de ser quem eu sou
quando tu deixares de ser quem tu és...


Nós somos um. Nós somos nós. 

AO TEU ENCONTRO




y
Quando  a ti encontro, vou com sede ao pote
lembro-me das cidades por onde andei
lembro-me do teu olhar claro
lembro-me do teu membro
pronto para ser sugado por minha boca
lembro-me de teu andar, 
lembro-me de tua pele
lembro-me de tuas mãos
lembro-me te ti..

A ESCRAVA COLEGIAL