segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

PLUGÃO


SPANKING E PRIVAÇÃO


 



HEELS - PODÓLATRAS DE PLANTÃO








A PUNIÇÃO


 

Relato de carolina (T:V:P:)

Aquelas meias dispostas sobre a cama não me causaram estranheza, visto que meu Dono sempre gostara que eu as usasse, mas eu já estava vestida com uma delas e não entendi a intenção do Dono até que Ele falasse.
“_Hoje transformarei o teu corpo em pura meia. Terás a textura que Me agrada e dar-te-ei o privilégio de que vejas a tua transformação”.
Ordenou que eu colocasse meus seios para fora do corset e os oferecesse para Ele.
Prontamente senti os biquinhos arrepiarem indicando minha excitação que aflorava.
Ele pegou duas meias-calças e amarrou cada uma firmemente em volta de cada um dos seios, enlaçando meu pescoço com elas.
Disse que queria vê-los arroxear e não poupou força nas amarras.
Senti uma dor crescente e ousei olhar para eles que lentamente mudavam a coloração para vermelho.
Ao ver o meu olhar o Mestre me deu um tapa no rosto me repreendendo, dizendo que eu me veria quando Ele quisesse que assim fosse.
Cambaleei ante a surpresa do tapa e voltei meus olhos prontamente para o chão.
Ele começou a apertar os meus seios entumescidos e alegrava-se enquanto eles iam adquirindo a coloração arroxeada.
Gemi.
Prontamente Ele enfiou em minha boca uma meia enrolada e quase cheguei a engasgar, mas não tive tempo, pois em seguida Ele colocou uma meia em minha cabeça, deixando minha boca escancarada, tampada e meu rosto disforme por aquele tecido.
Mandou que eu ficasse de quatro em frente ao espelho e que observasse cada momento Seu.
Brincou um pouco com meu sexo, penetrando Seus adoráveis dedos e me enchendo de desejo, até que pegou um grande consolo, revestiu-o com uma meia e enfiou rapidamente em minha vagina.
O tecido esfolou as paredes e gemi mais uma vez.
Em movimentos ritmados aquele consolo me raspava e, embora sentindo dor, me envergonhava por saber o quanto àquela meia deveria estar molhada.
Deixou o consolo enfiado em mim e, passando um creme em meus dedos ordenou que eu me preparasse para servi-Lo, untando com cuidado meu rabinho assustado.
Fiz o que Ele ordenou enquanto via que o Mestre “vestia” um plug com outra meia, deixando as pernas da meia soltas.
Enfiou lentamente o plug em meu ânus, deixando as pernas da meia para fora.
Elogiou-me.
Disse que meu novo visual, com direito a rabo e tudo, estava lindo.
Ordenou que eu desfilasse para Ele e enquanto fazia isto, o chicote me açoitava as  costas e a bunda.
Açoitou-me tanto que comecei a chorar, não conseguindo mais desfilar para Ele.
Satisfeito comigo o Mestre retirou as meias do meu corpo, vendou-me e possuiu-me de uma forma tão selvagem e tão deliciosamente excitante que me perdi em meio a tanto gozo.
Gozou em minha boca enquanto estapeava meu rosto incessantemente, deixando-me completamente louca.
Após a sessão, o descanso merecido no tapete ao lado de Sua cama, com o rosto coberto pelo gozo Daquele a quem serviria pelo resto dos meus dias.
E a certeza de que nunca havia sido tão feliz





FEMININA NO BANHEIRO