<                           

























quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

CONTO - MASMORRA








Finalmente retornei. Depois de 10 dias ausente desta "casa" de prazer, onde me derramo com mensagens e imagens.

Por esses dias aproveitei para por algumas coisas em ordem.  Tem sido extremamente difícil viver  nessa masmorra de mim mesma, longe daquele a quem gostaria de estar mais perto com uma certa frequência – meu Mestre. Sua ausência me faz desejá-lo ainda mais intensamente. Outros prazeres não me dão prazeres reais, apenas preenchem momentos da mente.

O que me faz sentir saciada, realizada, é o toque do seu cinto, de suas palmadas, das mãos invasoras. A boca preenchida pelo prazer... a dor. A dor alucinante que me alucina os sentidos, fazendo-me delirar... Culminando num gozo incontrolável, incontido que somente o Mestre pode produzir...

Lembranças voltaram. Encontros voltaram, de forma bem vadios.  Não se pode, claro explicar  uma língua, uma boca lhe invadindo, seu néctar sendo sugado de forma libidinosa, ousada, desejada. Enquanto seu lado fêmea vai explodindo em jorros escaldantes,  peculiares...

Mas, no intimo do quarto,  no intimo do meu “eu”,  é o Mestre quem está residindo, conduzindo, dominando. Liberando os pensamentos mais libidinosos que uma mulher pode gozar e sentir, de forma disponível, aberta, entregue, proporcionando prazer mútuo, total. Um prazer indefinível. Disponível.

Eu sinto falta de tua voz aqui dentro de mim, dentro de meus ouvidos, dentro dos meus desejos. Estou  livre, mas presa  pelas markas do nada que essa falta tua faz!

Ratifico a cada momento: teu prazer é o meu prazer, ou vice versa. Que importa a ordem dos fatores se o resultado é  o mesmo?  -  Eu a te servir. Oferecida sem limites, sem condições de limitações. Orgulhosa em ser usada pelo e para o teu prazer. Como uma propriedade exclusiva tua. Com toda servidão de uma escrava, sem pudores ou limites.

Aqui nessa masmorra, pude analisar, contemplar mais uma vez o despontar dos momentos que contigo eternizei e o arco Iris que markado ficou... Olha só, o céu está em cores, é o arco Iris  te trazendo de lembrança o teu andar, o agir, a ti.
Aqui nesta masmorra, senti muitas saudades de ti, mestre adorado!

Eis-me aqui, sempre, Vivendo para te servir.

QUERO SENTIR TEU PRAZER EM MIM...





eu


Eu quero sentir as dores 
que teu prazer provoca em mim... 
para ti....

Tu me fazes desejar-TE de todas as formas,
em todos os momentos  da minha vida, 
do meu respirar, 
do meu agir...
Teu prazer me marka!


sábado, 16 de fevereiro de 2013

CUMPLICIDADE


eu, serva

Nasce em mim 
o desejo de um sentimento de cumplicidade: 

Senhor-escrava 


Dono-serva 


Macho-fêmea


Mestre-aprendiz 


Dom-sub... 


Apesar dos paradoxos desconexos 


No meu interior 


Tu não paras de me tocar...


de me markar...

O SOM DA SUA VOZ






skank

Não me deixe na chuva não
Não me tire do coração
Não me diga que vai sem mim
Já conheço esse teu olhar
Uma luz a se afastar
A quilômetros daqui
Não me deixe na noite não
Na travessa da desolação
Não me diga que quer assim
Porque ali não há calor
Não há luz nem há razão
E não há o teu riso
Tudo está tão certo, não está?
Vem aqui mais perto, vem mostrar
Vem dizer aonde vai seu olhar
Quando a noite estender seu manto sobre nós
Meu abrigo então será o som da sua voz

MENINAS BEIJOQUEIRAS




sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

O PRAZER DO TEU PRAZER






eu

Para mim só existe o prazer, 
o prazer do teu prazer, 
o prazer do meu prazer em te dar prazer. 
Quando de mim Tu te aproximas, 
quando minha respiração ofega, 
falha ou suprime... 
Ali sei que Tu estás.
Porque Tu me traduzes todos os sentidos 
das emoções dos amantes... 
do servir. 
Eu sempre sinto Teus passos...

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

SILÊNCIO INQUIETANTE!



eu

Que silêncio inquietante!

Saudade desgraçada!

Vontade incontida!

Desejos markados!

Vou me alimentando de lembranças 

e de desejos...

O SABOR DO MESTRE!



y

O sabor do mestre
e uma mistura da prazer e tesão
de momento e coração
inunda  a boca
desperta a buceta
e faz exalar a libido  da fêmea-escrava
pronta para servir
a qualquer momento
em qualquer lugar   

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

AS MARKAS DO MESTRE



l



Aproveitei os dias de folgas do carnaval para dormir. Dormi bastante. Recebi vários convites do “dr. zinho” para sair... Deixa em banho-maria, por enquanto... Todo dia 10 é assim – tô de TPM. Tagarela. Transpirante. Sonhei com o mestre todos os dias, parecendo que tinha um encontro markado com meu subconsciente, com minhas memórias, com meu passado e com as aspirações do meu futuro. Fui sentido suas markas tão expressamente presentes que nalguns momentos não sabia se dormia ou se delirava...
Momentos em que  minha mente relembrava que muitas vezes poderia não apenas ser ilusão ótica da minha mente e meus desejos de estar em sua presença. Poderia ter sido real vê-lo, quando achava que estava tendo visões.  Alucinações. Ver o mestre é sempre bom. Ouvir sua voz é um prêmio. Sentir sua presença é um inferno. É um paraíso. É sofrer. É gozar. Todos os contrastes de sofrer e prazer se concentram nele. Em suas posturas e ações dominadoras. É simplesmente impossível  ficar passiva...

Como  pode se  sentir prazer com o prazer da dor? Esse amor bdsm é algo absolutamente espetacular! Preenche a mente da pessoa, domina seus pensamentos e a torna refém desses prazeres ousados e obscenos. Quase amoral, mas regado  de uma manta divinal-carnal, transcendental... Mas os desejos se tornam unificados. Cada um se torna refém de cada um. É uma completude. 

Um bom mestre vai markando a vida daquela que  ele escolheu para servi-lo. Aquela que a si mesma se ofertou, não apenas através de seu corpo, mas de sua própria vida, adequando seus momentos, seus desejos em conformidade com o seu mestre, com seu senhor.
As markas de um mestre são refletidas no comportamento e na aprendizagem da sua serva. A serva faz e tenta fazer tudo certo e agradável ao seu Sr. No entanto, como todo ser humano, também erra,  se equivoca... mas não esquece, está lá no seu psique e a correção sempre vem à tona para evitar erros cometidos ou reincidir nos mesmos. Uma luzinha vermelha dispara; o alarme soa fazendo-a retornar à sua postura de serva.

O bom mestre vai markando sua serva não com coleiras, não com  ferros quentes, mas com ensinamentos coesos e encontros markantes.

A ausência do mestre não deleta sua marka. Aumenta a saudade da escrava. Ratifica os sentimentos da serva e incentiva a espera para a recompensa do encontro, seja de quanto tempo for. Minutos... horas...  dias... O importante é que a serva serve para servir e o mestre para ser servido.

Parece contraditório, quando noutro momento escrevi (TEXTO: A SUBMISSÃO MÚTUA - 11-nov-2012 que  mestre e escrava dependem um do outro. Mas sim, o mestre precisa desse objeto para desenvolver suas práticas sádicas, prazerosas...  A mutualidade bdsm é existencial e consensual. Pra mim isso é óbvio.

 Mas confesso também: eu preciso muito mais do mestre! É tão delicioso ouvir sua voz, mesmo que esporadicamente, mesmo que diariamente.... Eu queria poder dizer tantas coisas, escrever tantas coisas...  Dizer como estou, o que sinto. Fazer minhas declarações, que cabem somente a ele saber.... Desnudar todos os meus sentimentos de serva markada com as markas desse mestre e senhor de todos os desejos bdsm.

Uma serva sempre quer muitas coisas; eu queria poder ficar pelo menos apenas 3 minutos  olhando para ele, tete-a-tete. Embriagando-me com sua  presença, seu olhar, seu respirar,... Deixá-lo re-eternizar dentro da minha memória, da minha mente e construir sua essência  em meu cérebro. E deixá-lo markado dentro de mim. Forever.




BEM ABERTA






terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

MOMENTO DE LUCIDEZ





eu

Esse momento de delírio e lucidez
Onde minha consciência guiada pelos meus desejos
Alberga tuas insanidades
Onde tu fizestes e fazes de mim os contrastes mais unificados contigo
Com gemidos desordenados
Com o corpo exposto a todos os prazeres Teus
Que se tornam meus.
Onde não há limites de tempo ou distância
Porque para o sentimento que a Ti dedico
A eternidade é testemunha desde o inicio...
Porque para sempre  serei tua
Construída com tua marka!


Ô VIDA BOA!