sexta-feira, 27 de junho de 2014

SOU...





Sou carne, 
sou delírio, 
sou desejo, 
sou  sonho, 
tenho fetiches e tesões escondidos à flor da pele...
sou água e fogo, 
sou livro, sou letra,   
gosto de ler, de escrever... 
Adoro sentir todas as emoções. 
Adoro te sentir...

quarta-feira, 25 de junho de 2014

O SERVIR DA SUBMISSA




Ela expressa seu maior desejo
no servir ao seu mestre
esse é seu prazer real
é nessa hora que a mulher deixa de ser
ser qualquer coisa
para se tornar qualquer coisa que ele queira...
esta é a submissa.

sábado, 21 de junho de 2014

DESEJADO AMPLAMENTE POR MIM







 A única coisa que  mantém viva minhas expectativas é a tal esperança... minguada. Mas pelo menos ainda está aqui, esvaindo-se aos poucos a cada dia... Mas está aqui!
Todas as coisas têm um propósito final. Sejam quais forem os caminhos que tudo percorre. Ainda não consegui entender muitos dos traçados do meu destino.  O Sr. Destino... Dominador do tempo.  Foram tantos planos, tantos desejos, tantas ilusões “fetichadas” com aquele que é a razão precípua de todo despertamento subserviente e caminhada bdsm em minha vida.
São markas intensas, cunhadas com precisão. Hoje, numa ótica crítica, não sei se é entendido o porquê de muitos por quês.
O avançar BDSM continuará sempre a ser uma caminhada de marcha lenta, porque os atores deste cenário ainda estão  analgesiados, como numa sessão para não sentir dor. São componentes que ainda resvalam um misto de medo que sobrepõe o prazer que pode sentir e fazer sentir.
Por que somos tão acovardados quando se refere à felicidade do prazer libidinoso?  Por outro lado, somos tão ousados em busca do conhecimento. Sempre queremos mais e mais.
Freud tinha razão quando diz que tudo se resume em sexo? Em Prazer? Em satisfação carnal? Hoje já não sei, visto que nossas pirâmides preferenciais a cada dia mudam suas prioridades. Que me desculpe Maslow na sua hierárquica divisão.  Cada um faz hoje sua própria pirâmide.
Infelizmente temos deixado de lado os alicerces da equilibração, que são os sentimentos. De preferência aqueles bons e de satisfação.  Sem sentimentos de amor, prazer, gozo, satisfação, etc, como iremos ter base para avançar em quaisquer áreas?
De que adianta ter muito dinheiro, por exemplo, e não ter paz? Ou ter alguém dedicado em cuidar do prazer, mesmo que este seja exótico, erótico?
Freud, também, achava que "quando a dor de não está vivendo for maior que o medo da mudança, a pessoa muda". Citando o Inferno de Dante: “O homem é fraco, mas o amor por sua amada, o da forças até mesmo para desbravar todo o inferno se for necessário para salvá-la”. De forma assemelhada é o bdsm: o amor de uma submissa por seu Sr ou vice versa efetiva  milagres tais que se torna uma expressão implícita de amor. O amor faz e traz mudança. Você muda de foco, você muda você mesmo. O amor é  um realista sonhador. E nada mais intrinsicamente ligado que a expressão do amor submisso de uma serva.
Existe o AMOR. E existem as diversas facetas de expressões desse amor. Eu amo meu Mestre e Senhor de uma forma diferenciada que amo minha família, meus colegas acadêmicos, meus colegas de trabalho, etc. Mas não deixou de ser amor...
Por conta desse amor, a esperança de um dia estar contigo continua colorida, verdinha, na verdade, que hoje apareceu na minha janela, me fazendo chorar, reviver, desejar, esperar.
Confesso que por muitos momentos tive vontade de desistir, de “quebrar as regras”. De sair ao encontro de novos conhecimentos, novas pessoas do meio... Mas a sensação de fidelidade ao Mestre é maior que qualquer desejo que esta serva possa ter.  São muitas as tentações. São muitas as tentações! Resistir a cada uma tem se tornado uma batalha.  Mas ao fim de cada dia, a consciência tranqüila é um prêmio. É um alívio olhar e ver que não houve nenhuma desobediência.
Na vida bdsm, a obediência ao Mestre está acima de qualquer desejo ou obediência a outra pessoa. E isso vai pigmentando vários espaços da vida, inclusive o social. São tantos mundos que temos em nosso mundo! Mas o mundo que mais mexe comigo é aquele mundo criado por nós - Mestre e serva. Desejado amplamente por mim esta serva que aqui te espera. 

PARA MEMORIZAR NA MENTE

 
 
 
 

UM DESEJO



sexta-feira, 20 de junho de 2014

MARKAS DO TEMPO







Meu Mestre adorado acordei sonhando contigo. Sem entender os direcionamentos dos passos da vida. Nossa, meu Sr, como te desejei, como te desejo! Deu uma saudade mesclada de lembranças gostosas de ti! Ah, aquela mão markante, aquela voz tocante, aquele olhar desnudante...

São tantas perguntas, são tantos desejos, são tantas inquietações. Mas nada, nada mesmo consegue apagar ou destruir essa chama que em mim arde por tua presença. Queria um pouco de ti.  Tenho rodado tanto e as expectativas só aumentam. Assim como essa esperança irrevogável em te encontrar.

Pergunto-me, questiono-me: o que preciso fazer? Ou o que não preciso fazer?  Para onde devo eu ir? As respostas vão se perdendo no vácuo do tempo, no silêncio que tua ausência causa. Uma angústia misturada com medo toma conta da minha mente em tantas e tantas noites pensantes...

Estou com tantos planos que queria contigo compartilhar! Tua opinião a mim é de soberana importância. O tempo passa, decerto, mas parece que parou desde nosso último momento.

Já outros tantos preparos para novos momentos, a cada dia, a cada mês, a cada tempo...  Algumas coisas já caducaram, envelheceram, estão se esvaindo... Menos meus desejos por ti que continuam tão vivos e latentes quando do primeiro momento em que pude estar em tua presença. Ah! Que dia inesquecível aquele! Lembro de cada detalhe. Cada palavra, cada gesto, cada ação.

O medo. O prazer. O encontro. O desconhecido. O desejado... Os desejos segredados em meu coração por querer-te mais...

Houve também frustrações, raivas por desejar comemorar aniversários juntos. Mas nunca sobrepujei minha condição subserviente a ti. Sei onde é o lugar de quem serve. Sei onde é o meu lugar. E é onde eu queria estar: aos teus pés...

Se tiveres um pouco de compaixão desta serva que tem um compromisso servil com esse Senhor e Mestre adorado, está na hora de manifestar  a luxúria do prazer, num markante encontro. Senão, a razão das razões dos prazeres bdsm chega ao fim.  Não sei andar sozinha numa caminhada que depende de pelo menos mais uma pessoa, pois como sempre digo: não existe bdsm individual – precisa-se das partes, das peças para compor o jogo do Servir e do ser servido...

As férias estão chegando e com ela suponha-se que mais tempo também... Haveria tempo para umas markas no tempo?

Meus tempos são para tuas Markas!...


TEU TOQUE INVADE MEU CORPO