<                           

























quarta-feira, 30 de novembro de 2016

DEDO DENTRO


SEMPRE BOAS VINDAS!




Ao tocar a campainha já sabia o que deveria acontecer. A porta destrancada era o sinal de que ele teria livre acesso na entrada.

Eu já sabia qual era meu lugar. Ajoelhada no chão, braços esticados e mãos postas, paralelamente. Sinto seus passos, sua respiração, seu silêncio. A mente passeia por mil lugares, imaginação tanta que faz voltar lá atrás, pulando de novo no presente, no momento. Sinto a buceta pulsar, o coração dói, esquenta, sensação de que vai parar. Olhos fechados, como que uma venda tivesse. Apenas seguindo os sentidos. Sem nada olhar, sem nada tocar. Sem se mover. Apenas pela respiração sabia que ali tinha um ser. Uma fêmea. Uma serva.

A voz contida, com aromas e sabores acafeizados entre outros, seria nicotinados?, quente invadindo a mente, envolvida e envolta de um sânscristo momento, inebriante, adulçante, contagiante. Num torpor que vai levando a uma sensação de relaxamento, vazio de mente e apenas um recheado de... sabe-se lá.



Desejos de contemplar aquele “Ser” fazem com que mais e mais o coração dispara, agora era sério, mesmo. Putz! Um misto de querer e não-querer, querendo sempre aflora à pele, quando o som vai se intensificando, mesmo no sussurro.  Um entorpecimento vai dominando o corpo já não a si pertencente, desde o momento primeiro, com suas sandálias em tiras escorregadias.

Após uma eternidade, finalmente o desejável. O contemplar. O ver. Se embriagada já se sentia, agora então pásmica de felicidade não podia conter mais o aflorente desejo que explodia em pulsantes correntes sanguíneas.

De forma magistral, sadicamente imponente recebe sua presa, numa demonstração fatal de domínio; de explícito posicionamento de quem manda e quem é o mandado. Senta-se entronado naquela cama colossal, e ordena-lhe que mude sua posição de quatro para que ajoelhada, ao lado da cama, olhos rebaixados pudesse se sentir o que era: nada, ou uma "rélis serva".

São esses momentos em que mais pode-se perceber a verdadeira serva. Desprovida de vontades e revestida apenas pelo singular desejo em agradar seu Mestre, seu Sr. Enquanto ele ali,  nu, com o cacete totalmente exposto, e ela, com os olhos fixos em seu cacete que parecia um convite para ser avidamente chupado, com um filete de néctar que começa a aflorar, convidativo.

Ele sabe que ela adora sentir o calor que emana dali, daqueles longos centímetros de tesão. E como que lendo sua mente, numa invasão de pensamentos, sem permissão, até mesmo porque não precisava de permissão alguma, apenas ordena: - Sinta-o! Pode chupar! Sei que está desejando isso!...

Sim, ela estava, por uma eternidade toda ela desejava isso. Pois foi ensinada desde a sua mais tenra idade bdsm a ansiar por este alimento que supre desejos. Ela, sutilmente vai tocando sua boca quente, num leve e logo mais frenético vai-vem, afundando-o garganta adentro. Sufocando e desconcertando a respiração. Na mais indescritível sensação de boas vindas para ambos os lados.  Ela sorri no íntimo e deleita-se...Estava com seu  Sr.

UMA DECLARAÇÃO DE AMOR


 A servidão 
nada mais é 
que uma consistente declaração de amor 
a quem se deseja servir.
É muito mais 
que uma entrega de corpo 
ou satisfação de libidos. 
É uma entrega de prazer...
É um compromisso de satisfação.

O RISCO QUE MARKA






A dor não é transmitida quando o corpo é riscado com um objeto pontiagudo ou uma ponta que queima, ou ainda um metal que aquece deixando markas; a dor maior que pode  afligir uma serva é a dor do desprezo, da separação, da não satisfação.
Marka-me com tuas markas, sejam elas quais forem, mas nunca deixe de markar meu coração que a ti pertence, num pacto de entrega de subserviência.
Um risco, um desenho ou um vergão são escritas de um momento eternizado no coração, aos quais tenho um enorme prazer em trazer cunhadas no corpo que a ti pertence.




terça-feira, 29 de novembro de 2016

ENGOLINDO UM CACETE!





Isso é difícil pra cacete!
é questão de treino e respiração, 
além de que o estômago precisa estar vazio, claro.
Nada que 24 horas sem comer não possa resolver.

DEPILAÇÃO A CERA


 

Confesso que gostaria de saber quem foi a filha da  X#2& %$%# que inventou a tal depilação a cera. Essa semana fui tentar e quase me fudi sozinha. Sem cacete algum. Isso é coisa de louco entre a virilha. Tive quase foi queimadura, ferimento e dores terríveis.  Essa técnica do uso da cera agride muito mais a pele, ainda mais em regiões tão sensíveis! PQP! Partindo então para o velho e conhecido barbeador manual que ainda  socorre nesses momentos. 
E por falar em queimadura... fogo é castigo ou tesão. Só pode,  pois markas vão se formando à medida que novos fogos vão surgindo. Isso quer dizer que velhos fogos existiam e era coisa do passado.
Enfim, há quem goste de pelos e há quem goste pelados. O melhor sempre será o desejo do seu Mestre.

O SERVIR








A mais sublime missão de uma serva: é o servir. Servir com qualidade, com semi-perfeição, sim, pois esta perfeição nunca será, de fato, alcançada por quem quer que seja.

No decorrer de meus anseios submissos, tenho revelado, declarado, exposto aqui minhas inquietações, desejos meus ou de quem se aventura a vivenciar esse fascinante mundo. Eu sou uma pessoa intensa, sempre o que faço, mesmo nas imperfeições contém uma intensidade ímpar.  

Eu não creio que as pessoas erram por assim desejarem. Eu particularmente não gosto de errar. O-d-e-i-o castigos, pois eu acho que o castigo é  materialização da incompetência, do falhar. Quando se recebe um castigo numa sessão, por exemplo, não é um prazer, e sim uma dor. Detesto errar! Às vezes, tenho cometidos erros por coisas alheias à minha pessoa.

Por exemplo, possuo 3 ferros de passar roupas, sendo que um deles é excelente, é o melhor pesado, esquenta bem, os demais são para passeios, coisas rápidas e são esses que levo em viagens rápidas.  Puro azar! A m* do ferro não esquentava o suficiente para a finalidade desejada,  começando a criar uma crosta embaixo, incorrendo no risco de grudar em qualquer roupa. Caramba! Isso sim é que seria o maior perigo. O jeito foi parar de passar. Suspirar, fechar os olhos, lamentar e... esperar as consequências.

Quando se deseja de coração uma sessão, não se detém diante de qualquer obstáculo, mas também existem cautelas. Decidir ir é o primeiro passo. O ‘Ir’ é a concretização, é a ratificação do que se deseja.  Pois não há na mente de uma serva limites para servir. Os limites são sempre aqueles que ainda são desconhecidos, não praticados. Mas que, com o passar do tempo vão sendo assimilados à vivência da  prática.

Na minha mente não deixa de existir uma azeitona, que amo de paixão, e que no filme "Secretária", a atriz  G(yllenha) se banqueteou com duas azeitonas (o cúmulo da obediência - então a azeitona passou a representar a presença de quem foi Markando minha vida bdsm). Até para comer uma pizza, cato todas as azeitonas e deixo o restante. Traz uma memória afetiva e degustativa para lugares antes percorridos, lá no recôndito da memória... Hoje reassisti esse filme...

Nesse mundo, nada como a confiança do revelar-se, sem subterfúgios, sem frescuras, sem receios. Numa entrega nua e crua, sem medo. Essa é a postura de uma serva.  Onde o limite real da entrega é e será os desejos do seu Mestre e Sr. Ele é quem conduzirá  para seus próprios desejos. Por que a serva nada é, ela só tem valor quando tem a quem servir. No momento em que a serva deixa de servir, ela morre, voltará a ser apenas uma fêmea. E este com certeza não é o desejo de nenhuma serva, muito menos da serva yllenah.




COMO FAZER A VERDADEIRA DEPILAÇÃO A CERA



Fonte: Bolsa de Mulher

http://www.portaldozacarias.com.br/site/noticia/como-depilar-a-virilha-em-casa-testamos-e-ensinamos-tudo-o-que-voce-precisa-saber/

A maioria das mulheres vai ao salão de beleza regularmente para fazer unhas, cabelos e eliminar os pelos indesejados, mas você já pensou em fazer depilação sozinha? Essa independência é bastante vantajosa: você economiza uma graninha e não fica presa ao horário de uma profissional, principalmente quando precisa depilar a região íntima de última hora.
Em um primeiro momento, depilar a virilha sozinha com cera pode parecer difícil, mas, seguindo algumas dicas e cuidados, fica bem mais simples. Por se tratar de uma região delicada, é importante que antes você já tenha depilado outras partes do corpo, como pernas e axilas. Isso traz familiaridade com a cera e evita pequenos acidentes.

Dicas para se depilar sozinha
Regras de ouro:

Sempre aplique a cera no sentido do crescimento do pelo e puxe no sentido contrário, com movimentos rápidos e firmes. Caso contrário, ela pode grudar e machucar a pele.

Use a mão livre para esticar a pele tanto na hora de passar quanto na hora de tirar a cera. Isso é fundamental para que todos os pelos saiam sem machucar.

Passe o produto em pequenas áreas de cada vez. Os pelos da região íntima crescem para lados diferentes e é fundamental acompanhá-los. Isso também te dá maior controle e diminui a dor.

Comece aos poucos. Não tente fazer uma depilação completa logo de cara. Avance um pouco a cada mês até chegar ao resultado que deseja.
Um espelho de corpo inteiro aumenta bastante o seu campo de visão. Sentar no vaso sanitário e colocá-lo em frente pode ser um bom jeito.

Qual cera usar?
Cera quente

A cera quente é a mais indicada para depilar a região íntima, pois se molda à área, que é cheia de curvas. Esquente no aparelho em temperatura média até que ela derreta por completo. Se derreter demais, ela fica muito líquida e pode queimar a pele, por isso, o ideal é a textura pastosa.

Passe uma camada generosa em um pedaço de pele e espere somente até o momento em que ela não gruda mais no dedo. Se esfriar muito, a cera quebra e é mais difícil de tirar. Tenha sempre à mão um óleo removedor para eliminar os resíduos.

Cera hidrossolúvel

Para quem ainda não tem muita habilidade, a cera hidrossolúvel pode ser a melhor opção. Ela é lavável e traz mais segurança: se grudar na pele, entre no chuveiro. Aqueça por um minuto no micro-ondas e passe uma camada bem fininha sobre a pele (imagine que ela é uma cola que precisa aderir ao papel). Coloque um lenço TNT por cima e puxe com firmeza.

Cera fria

Não é a mais indicada, porque, assim como a cera em roll on, não se molda adequadamente à pele.

Como fazer depilação íntima

Se os pelos estiverem muito compridos, apare com uma tesoura ou com uma maquininha própria. Comece pela dobrinha da coxa e avance para o monte de vênus, tirando primeiro as laterais e depois a parte de cima. No desenho, as setas representam o sentido em que você deve passar a cera, mas observe sempre o sentido de crescimento dos seus pelos e respeite-o.



 As setas indicam o sentido em que você deve passar a cera. Puxe
no sentido contrário
Depos, passe para a parte interna da coxa, onde começa o bumbum. Essa é a hora de “limpar” a região e eliminar todos os pelos que ficam perdidos. Avance até perto da entrada do canal vaginal. Em seguida, depile os grandes lábios, esticando bem a pele ao passar e retirar a cera.




Puxe a cera com movimentos firmes e rápidos (Fotos: Shutterstock)
Os pelos do ânus podem dar um pouco mais de trabalho, já que a posição é desconfortável. A ideia é deitar o corpo ao máximo (se vc estiver sentada no vaso sanitário e usando um espelho), segurar a metade do bumbum, passar a cera e puxar em seguida.