<                           

























Mostrando postagens com marcador DESTINO. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador DESTINO. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 20 de julho de 2017

QUANTAS VEZES?....








Quantas vezes
eu te busquei em minha mente
te encontrei em meus fetiches
te beijei em meus pensamentos?!

Quantas vezes
preparei a ‘mala’
arrumei o corpo
me molhei por dentro
para te encontrar
para te ofertar-me... ?!

Quantas vezes
chorei tua ausência
imaginando tua presença
sentindo o teu olhar ?!

Quantas vezes...
quis matar essa desgraçada saudade
que não mede tempo-idade
apenas para te encontrar... ?!

quarta-feira, 19 de julho de 2017

SENTIR TUDO DE TODAS AS MANEIRAS





Fernando Pessoa Álvaro de Campos


Sentir tudo de todas as maneiras,
Viver tudo de todos os lados,
Ser a mesma coisa de todos os modos possíveis ao mesmo tempo,
Realizar em si toda a humanidade de todos os momentos
Num só momento difuso, profuso, completo e longínquo.

(...)

Multipliquei-me, para me sentir,
Para me sentir, precisei sentir tudo.
Transbordei, não fiz senão extravasar-me.
Despi-me, entreguei-me
E há em cada canto da minha alma um altar a um deus diferente.

(...)

Foram dados na minha boca os beijos de todos os encontros,
Acenaram no meu coração os lenços de todas as despedidas.
Todos os chamamentos obscenos de gesto e olhares
Batem-me em cheio em todo o corpo com sede nos centros sexuais.

(...)

Oh, vós todos, todos vós, casuais, demorados,
Quantas vezes tereis pensado em pensar em mim, sem que o fizesses.
Ah, quão pouco eu fui no que sois, quão pouco, quão pouco.

DESEJO SECRETO






Sabe qual é meu desejo secreto?
- Raptar-Te em meus pensamentos e levá-lo a um local
- quem sabe numa cabana - onde somente nós dois pudéssemos estar,
sem tempo, sem hora, sem momento.
Perdidos em desejos e satisfações,
sentindo o tremor de nossos corações e corpos,
como acorde em perfeita harmonia de notas sinfonadas.
A minha boca entorpecida, asfixiada pelo prazer,
aquele prazer que vem de Ti e que sacia meus desejos,
com prisões de liberdades;
em desesperos de felicidades;
em provocações de acordes refinados
que como ondas num mar em calmaria,
suavemente sussurra ao ‘pé do ouvido’:  
- És a minha putinha.
No íntimo um largo sorriso aflora em meu coração
e externaliza nesses lábios  ardentes e sequiosos de Ti;
que como fogo em brasa toca Tua pele
ansiando pela recíproca,
ansiando pela Tua Marka do prazer
por Tua mão, por Teu toque.
Quantos pensamentos de Ti,
sem ao menos sair do lugar!
Como vê
Não há obstáculo, não há distância...
eu Te sinto aqui, sempre perto...
Quando ao mesmo tempo fico contando horas
Para retornar de onde sequer saí...

SILÊNCIO



Eu pensei que palavras
Sentimentos traduziam
Mas foi no silêncio do meu amor
Que revelei tudo o que por Ti sentia.
Pois sempre Te ouvi com meus olhos
Sempre Te apoiei com meu sorriso.
Minhas mãos falavam de amor
Quando em Teu corpo tocavam
Não precisei emitir som
Para dizer-te: EU TE AMO, MESTRE!
Meu silêncio sempre falou mais que a minha voz...
O Teu olhar me conduzia,
servia de alento para minha vida.
Do Teu querer tornei-me cativa,
E sem palavras,
fomos traçando nossos destinos...
juntos... ou mesmo longe...
em silêncio... ou com o som da presença...
eternamente...
calada, mas cheia de sentimentos...