Mostrando postagens com marcador EU. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador EU. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

OLHOS FECHADOS, SENTIDOS ABERTOS




Para sentir...
nem precisa estar com os olhos fitos, abertos
bastam os sentidos estarem
em estado de alerta
de desejo
de atenção ao prazer...

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

QUALQUER LUGAR...







Finalmente o dia chegou. Seria a concretização da grande expectativa. Um encontro com o Mestre sempre será o mais magnífico dos momentos bdsm na vida desta serva. Então começou uma pequena euforia no corpo. Nos sentidos.   Uma felicidade intensa. Que alegria poder servir ao Mestre! Pensava...
- Você sabe aonde irá?
- Não, Sr.
Putz! Que merda! Resposta errada! Eu deveria ter dito:
– Sim, Sr, eu sei. Irei para o encontro de Teu prazer.
- Pois, bem, iremos para a Terra de Araúna, você sabia?
- Não, Sr.
Para esta serva, qualquer que seja o lugar, o momento, a hora isso é de somenos importância. Pois o essencial mesmo é servir. Servir ao Mestre. É para isso que cheguei aonde cheguei. É por isso que me tornei a serva que sou. Sempre buscando o equilíbrio. Sempre tentando aprender mais, melhorar  ainda mais. 
Claro que muita coisa eu já tenho consciência e conhecimento, falta mesmo é a prática, a diligência, o cuidado. O cuidado com o prazer do mestre deve ser a meta, a prioridade nessa  relação.
Meus fetiches? Meus desejos? Por incrível que pareça são satisfeitos na satisfação do mestre. Meus desafios são sempre superar os caminhos por onde já andei e retirar as urzes de veredas ainda desconhecidas.
Estou fascinada com velas; hoje me peguei olhando essas velas vermelhas com mil pensamentos pela cabeça. Mas ainda há outros desafios que precisam ser lapidados; aqueles onde esta serva tem se tornado mais relapsa.
Por isso vou cuidar cada vez mais de tudo. Cuidar de mim. Cuidar de aprender. Cuidar de lembrar do que me foi ensinado... Foram tantos ensinamentos bons que não poderia deixá-los negligenciados.
De verdade, eu agradeço de coração e com servidão, tudo o que o meu Mestre tem me repassado, pois oportunamente quero poder corresponder às suas expectativas. Com mais assertividade.

segunda-feira, 26 de junho de 2017

LIMITES DE UMA ESCRAVA



No mundo das relações Bdsmistas Senhor e serva ou escrava mantém vivo um código de conduta que deve ser respeitado, pelo menos no meio, por isso alguns firmam um Contrato de Relação BDSM. Eu e o meu Mestre Sr. DOM MARKA temos o nosso. Ali são descritos os limites de cada um, especificamente da escrava, pois querendo ou não o contrato de servidão é dela. É ela que declara o que quer, o que pode e o que não pode fazer. Claro que em comum acordo com seu Senhor.
Mas há sempre algumas cláusulas que são extremamente desafiadoras,  novas, desconhecidas...
Podem surgir situações em que a serva poderia não saber como se comportar, por isso é essencial a clareza da relação.
Vamos levantar aqui uma hipótese:
O Dono da escrava  "a empresta" a um outro dominador por uma sessão ou por um período de tempo, enfim... Até onde deve ir a entrega dessa serva nesse compartilhamento, com outro Mestre que não é o seu?
E se ele começar a fazer questionamentos de cunho pessoal, como: nome real, família, trabalho, estudo, relações - ela deveria ou não responder? Ou deveria, gentilmente, pedir-lhe que essas questões tratasse diretamente com seu Senhor que é quem tem a autonomia sobre seus comportamentos BDSM?
Por outro lado, quando o Senhor da escrava dar total acesso a outro dominador para uso de sua escrava poderia seu Senhor reivindicar da sua serva um comportamento diferente, com limites de entrega a outro?
Como deve ser  ser firmado o acordo?
Levanto estes questionamentos, por que já vi num blog, uma submissa participar de sessão com dois outros Mestres que não o seu Dono, e lá tudo era possível, dentro do prazer.
Entretanto, também vi (li) de outra submissa que  algumas práticas lhes eram vedadas por seu  Dono.
E agora?
Por conta de dúvidas como estas que tudo precisa ser muito bem esclarecido, tanto no contrato, quanto em conversas, até por que contratos podem ter falhas, omitir cláusulas que podem ser importantes e não lembradas no momento.
Quanto a mim, esta serva confia nos procedimentos de seu Mestre e se sente confortável em sua entrega.
O resto, o que importa é o prazer que Ele pode receber, seja de que forma for, porque isso também me dá prazer.



quarta-feira, 22 de abril de 2009

SEM PALAVRAS...


por tudo:

o que foi.

o que não é.

o que será.

o que nunca será...

(cala a escrava,

cala a poetisa,

cala as emoções

só fica o silêncio...

com palavras vazias...)