Mostrando postagens com marcador FASCINAÇÃO. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador FASCINAÇÃO. Mostrar todas as postagens

domingo, 25 de fevereiro de 2018

AQUI ESTÁ



Aqui está!
Poderia ser simplesmente assim!
Mas é justamente assim!
com essa simplicidade
que sempre entrego
meus desejos submissos a Ti
Prenda-os!
Pois nesta Tua prisão é que sinto 
toda minha liberdade!

sábado, 24 de fevereiro de 2018

MAIS UM DIA...

 

E o dia chegou, amanheceu cheio de esperança. Com cara de calmaria, mas confesso que aqui dentro de mim uma agitação de fazer coração tremer! 
Planejei vários desafios para este ano e fui com tudo, muita animação, muita determinação. Alcancei muitos alvos propostos, mas tantas correrias me fizeram desviar a atenção e relaxar um pouco. Agora correndo contra o tempo para acelerar o alcance principal.
Pois é assim: muita intensidade; muita felicidade por resultados. Depois vem aquela calmaria, ocupações terríveis, onde o tempo, se não for corretamente administrado, faz ir por água abaixo tantos esforços!
Familiares são pessoas maravilhosas, amo-os todos, claro, mas toma um tempo terrível da vida da gente. 
Agora mais que nunca estou determinada a focar naquilo que me move, na paixão que me incendeia, no dominador que mexe comigo e deixa markas maravilhosas.

quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

UM TOQUE

 
  
 Um toque
daqueles que markam
daqueles que fazem exalar espirros de gozo
apenas um toque para as fontes jorrarem
aquele toque tocado, markado
desejado
markado com gritos de silêncio
markado com mãos que sabem levar e elevar.
Tuas mãos
sempre me elevam Mestre adorado.

terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

DA FORMA QUE LHE AGRADA

 
  Na presença do Mestre cada postura representa uma obediência. Meu adorado Mestre gosta de ser recebido por esta serva, ela estando de quatro com as mãos e braços ao chão. Mas claro, cada atitude quem e postura quem escolhe, é quem manda. O Mestre é que sabe a forma que mais lhe agrada ver quem lhe serve. Alguns preferem ser saudados com um pedido de bênção e beijo na mão. E daí? É a forma que lhe agrada.
Eu já sei como meu Mestre gosta, então não há por que fazer diferente.

MAGNETIZA-ME, MESTRE!

 
o teu toque é muito mais que um simples toque
é  a expressão de desejo sobre desejo
de carne sobre carne
é um magnético
é uma força que me envolve, 
me conduz e me seduz.
Adoro-Te, meu mestre!


segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

A CHUVA DOURADA DO MESTRE

Entramos no banheiro,
 Ele em pé em ajoelhada. 
Fechei os olhos e esperei 
uma chuveirada gelada; 
mas ao invés de fria, foi quente. 
Senti-me untada 
com o calor de uma bela mijada 
que  aqueceu meu corpo,
 fez minha boca ficar com um sabor diferente, 
o sabor do 'mijo' do Mestre.
Claro que não se engole
apenas sente-se aquela chuva dourada...
como uma forma de ratificar cada vez mais
aquele compromisso de prazer.

domingo, 18 de fevereiro de 2018

AO CHÃO!

Quando mais ao chão eu me achego,
 em Tua presença
mais elevada eu me sinto!
Pois reverenciar-te 
é um ato sublime!

sábado, 17 de fevereiro de 2018

A SAGA DE ZENE - MOMENTO 2




ZENE depois de sentir aquelas sensações indescritíveis para o seu dia a dia, quis conhecer um pouco mais desse mundo que estava lhe despontando.
Foi em busca de tudo  que falava sobre "sexo picante", servir, plug, essas coisas, e qual foi sua surpresa quando se deparou exatamente com o mundo BDSM.
Pensou: - Então quer dizer que tudo isso é o tal bdsm? Pois quero conhecer mais. Quero ir mais além, quero conhecer outras fontes jorrantes dentro desse mundo. Decidiu e assim foi.
Seu parceiro, agora era seu DONO. Começaram a nutrir uma nova e excitante fantasia, com tantas descobertas. ZURI aos poucos foi introduzindo outros elementos desse mundo fetichista no cotidiano de ZENE.
Certo dia, ZENE se imaginou levando umas boas cintadas e como se quisesse a realidade ali presente, ficou nua e arrebitou a bunda, e de fato, sentiu aquela ardência e gostou. Eram suaves cintadas que ZURI lhe aplicava, fazendo seus desejos exalarem um tesão que chispava gozo. Ele tinha chegado sem que a mesma percebesse e como que lendo seus desejos os concretizou.
E a colocou naquela cama, envolta em lençóis brancos e assim lhe apresentou outros modelos e tamanhos variados de plugs e mais duas novidades: uma chibata e uma coleira.
Ela não entendeu muito bem, mas tinha visto no carnaval do Brasil alguns artistas usando coleiras com o nome de seus machos e achou o máximo. De certo que era uma coleira sem nome, apenas algo bem rústico. Mas que parecia ter um grande significado. Mas e aquela chibata com um furo em forma de coração para que serviria? Poderia markar sua bunda e deixá-la com um belo desenho, pensou. 
À medida que aquelas novas roupagens iam sendo usadas em seu corpo, ZENE mais adorava e desejava. Não estava entendendo mais nada. Porque estava assim tão fascinada com essas coisas que antecedentemente lhe pareciam uma profanação? Mas, mesmo assim se deixou levar pelo calor produzido no corpo, onde um torpor lhe embriagava com puro tesão. Onde estava que nunca tinha descoberto antes essas delícias de bdsm? Será que existia alguma outra novidade, algo que não sabia ainda?
Sim, e muitas, que  não faziam parte do mundo de ZENE e que não foram introduzidas por ZURI. Ainda. Imagina quando ela descobrir o prazer em fazer parte de uma senzala com mais uma ou duas servas? E ser, então, emprestada como objeto de servidão para outro 'dominador'?
Ah, ZENE espere pois há um longo caminho de luxuriantes prazeres a percorrer...

sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

A TARA MAIS LOUCA

E assim o prazer explodiu em forma de gozo.
Um gozo compartilhado entre escrava e dons...
Foi aquela tara louca! 
Enlouqueces-me, MEU MESTRE!

quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

A INICIAÇÃO DE ZENE - CONTO

ZENE era uma daquelas mulheres extremamente comportada, aparentemente recatada. Muito família.  Casada. Zeladora do seu lar. Acima de qualquer suspeita. Um longo casamento, regado com muitos mimos. Já era o quarto casamento do seu então marido. Mas isso nunca foi problema. Eles se gostavam e dessa relação geraram 5 filhos. Em sociedade era tudo elogios. A harmonia reinava. Mas cada um tinha um desejo. Um fetiche secreto. Um anseio que faltava ser preenchido com umas taras inconcebíveis. Era um pecado capital.  Mas o desejo era maior.
Certo tia, ZURI fez uma viagem para outro país distante, mas conseguiu cumprir seus compromissos 2 dias antes. E resolveu voltar pra casa, decidido a fazer uma surpresa à ZENE, chegou em casa mais cedo, sem avisar; entrou em silêncio, deixando sua pasta sobre a mesa de centro e retirou os sapatos para ficar bem à vontade e acentuar a surpresa. Qual foi sua surpresa quando ao entrar no quarto encontrou sua recatada  esposa totalmente nua, com gemidos entrecortados, esfregando a buceta com os próprios dedos, enfiando-os cada vez mais profunda e rapidamente, quase aos gritos. Certamente era o prenúncio de um  gozo anunciado.
ZURI sentiu seu cacete crescendo com a cena: um corpo nu, encharcado de prazer, convidativo à todas as luxúrias. Teve, então, uma ideia que poderia satisfazer os desejos e fetiches secretos de sua parceira e quem sabe até seus próprios. Voltou na ponta dos pés e sentou-se na sala e completou o gozo com uma acelerada punheta. Se recompôs  e algum tempo depois começou a chamar por ZENE.
- Querida! Querida! Cheguei!
ZENE, satisfeita, correu ao banheiro e também gritou: 
- Estou tomando banho, vou já!
Ao entrar na sala o encontra com a maleta de viagem. E comportadamente desejou-lhe boas vindas. Dando-lhe um beijo na testa.
ZENE pega a maleta e leva para cima no quarto. Coloca-a no criado-mudo e desce para preparar algo para seu par.
ZURI diz que gostaria de fazer-lhe uma surpresa. Ela fica curiosa e desconfiada. Pergunta de que se trata. Ele calmamente diz para esperar até o dia seguinte.
A inquietação toma conta de ZENE que passou o resto do dia com uma 'pulga atrás da orelha'. A noite chega e foi o maior love. Pela manhã, após o café e levar os filhos para a escola, ZURI, também movido pela curiosidade e pela própria experiência resolveu na volta passar num sex shop que ficava na estrada de sua casa.
Entrou e olhou aqueles objetos de tesão, fetiches e paixão de muitos. Escolheu um pequeno plug, pois pensava que agora, sim, depois do que viu poderia iniciar sua parceira em algumas práticas de prazer. E um plug serviria de consolo até mesmo quando estivesse ausente. E assim fez.
À noitinha, ao retornar do trabalho entregou-lhe aquela caixa, que ela olhou meio desconfiada, se questionando o que poderia ser. E qual foi sua surpresa ao encontrar um plug dentro daquela dourada caixa, que mais parecia um convite de sonhos. Não entendeu bem. Mas a aproximação do seu macho, causou-lhe tesão.  Ele pediu para ela fazer um streep lentamente. Obedeceu, com receios...
Ao ficar totalmente nua, ele  colocou uma venda em seus olhos e a conduziu até o meio do quarto enquanto  higienizava o pequeno plug prata, untava  e com maestria a conduzia àquela cama, deitando-a de bruços e começou a tocar em suas partes íntimas, suave, com mais vigor e ela se arreganhava cada vez maias para receber esse prazer louco e que costumava realizar sozinha...
Sentiu uns dedos em seu cuzinho,  relaxou, sentiu uma língua, adorou  e se entregou... ZURI, aproveitou esse momento de entrega total e  foi colocando aquele pluginho já lubrificado. ZENE sentiu uma pequena dor, mas nem se comparava às sensações que estava sentindo... Se soltou, se contraiu, gemeu, gritou. Queria mais, mais e  mais... 
E assim, ZURI inicia aquela fêmea louca por prazer àquelas práticas deliciosas...
O próximo passo será mais ousado, pensava ele...
 

terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

O LOUCURA DOS PLUGS


Eu sempre gostei de viver intensamente os prazeres. Nada de limitar, de ''regrar' o tesão.
Eu já fiz loucuras que hoje as acho quase banal, ou comum, vamos assim dizer.
Mas uma das mais loucas foi encontrar o Mestre, totalmente nua, digo, sem calcinha, com dois plugs enfiados: um anal e outro na buceta. Hoje, posso dá-me o luxo de ri dessa insandice.
Preparei-me para um delicioso almoço na maravilhosa presença do Mestre. A depilação foi completa. Tudo lisinho, limpinho. E a fêmea se armou de sua sensualidade: saia, blusa solta, saltão, bolsa... e lá se foi ela.
Anteriormente passou o dia lendo aqueles maravilhosos contos BDSM, no site  contosbdsm, o que provocou uma deliciosa irrigação nos canais e fontes de prazer. Além disso com o auxilio de um milagroso tubinho de ky para completar o serviço. 
Tudo enfiado nos devidos buracos, lá se foi ela, em seu rebolado; a fricção das pernas, coxas e os próprios plugs iam lubrificando cada vez mais a buceta e começou o 'aperreio'. Totalmente encharcada, os amiguinhos começaram a ficar folgados e quer cair pelo meio da rua.  A solução foi caminhar apertando mais ainda coxa contra coxa, como forma de segurá-los. 
Foi um alívio entrar no restaurante e poder sentar e ficar quietinha, sem se mexer um milímetro. E desejando ansiosamente a presença do Mestre. E quando aquela imagem linda, maravilhosa, instigante me surge; para mim, de uma sensualidade exorbitante. Adorado.
Compromisso concluído. Olhei para os lados, poucos clientes, entrei num banheiro masculino - essa era a senha para o Mestre seguir. E ali (prendi a respiração), simplesmente 'arreganheia perna para o lado e ele pode retirar aqueles cacetes, me fazendo delirar e me segurar para não gritar de tesão.
Fiquei com os brinquedinhos na mão e ele se mandou.
E agora o que eu deveria fazer? Saí de ‘fininho’ para o banheiro feminino ao lado e os guardei na bolsa. Tremendo de vontade de tê-lo (o Mestre) a me invadir... Dei um tempo muito curto. Ri. E me mandei para o trabalho. Foi ou não foi os ‘máximus’ de loucura bdsm?

segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

PROVOCANTE

A primeira vez que  um pregador de roupa foi usado em mim, pensei que não fosse suportar essa provocação.  Não tinha tantos segredos assim. Mas a sensação dessa mesclagem entre a dor e do prazer é tão excitante, que arrepios tomaram conta de meu corpo e aquela sensação de ardência e satisfação começaram a provocar o corpo; a buceta então nem se fala!... Os pregadores, agora, fazem parte da maleta de fetiches e tesões...

domingo, 4 de fevereiro de 2018

IRMÃS DE COLEIRA - AINDA (R)EXISTE?



Algumas submissas veem isso como um castigo, outras como uma dádiva ou algo que venha 'esquentar' o servir do Mestre.
Nem sempre a famosa irmã de coleira é uma escolha de uma das submissas. É apenas um desejo fantasioso do próprio dominador que quer, por vezes, mostrar seu poder de dominação, condução e/ou administração. Nalguns casos até mesmo de exibição... Tive uma amiga submissa "athina"  que achava que: "a relação é dele (dominador), que ela não tem nada a ver com isso".
Certamente que um dominador pode ter quantas escravas consiga administrar em sua senzala e ter a certeza de que tudo possa correr bem - para o bem e felicidade geral de todos. E isso pode ser medido pelo grau de satisfação de cada uma das escravas envolvidas, da dedicação, da entrega, do apreço, do desejo e do tesão em servir ao seu Mestre e senhor dominador. Mas vale ressaltar que numa relação assim não cabe espaço para ciúmes, meninices, possessividades, afinal a serva é apenas a serva; aquela que obedece, que se submete, que oferece sua servidão ou escravidão àquela pessoa  a quem consentiu essa dominação de seus desejos sadomaso. Cada pessoa tem seu espaço próprio, seu momento. Mas claro que deve ser especialmente delicioso cada uma poder se sentir única e especial. 
Eu mesma disse uma certa vez ao Mestre que as pessoas nasceram para cada finalidade, umas para serem especialistas em determinadas coisas na vida; outras apenas para chupar um cacete com maestria, há ainda outras que fazem um prolapso inalcançável, e outras mais, para  fazer todas as putarias numa só pessoa.
Uma irmã de coleira é algo que pode dizer somente respeito ao dominador. Ele não precisa de consentimento de uma escrava sua para ter quantas submissas queira! 
Mas será que consegue satisfazer a si e a tantas?

sexta-feira, 26 de janeiro de 2018