Mostrando postagens com marcador LASCIVIA SM. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador LASCIVIA SM. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

IMPRESSIONADA - IMPRESSIONANTES



Alguns autores me impressionam pela intensidade de suas palavras, de suas vivências e de suas impressões; Freud, Shakespeare,  Martha Medeiros, Vinicius de Morais entre outros tantos traduzem de forma espetacular sentimentos de tantos e tantas, que fazem escorrer entre as letras nossos desejos, nossas luxúrias...
Eu, ylena, serva de Dom Marka não sou imune a essas sensações, a essas listas de enunciados, de desejos desenfreados, pornográficos,  acalantadoras...
Eu sinto desejos loucos, alucinados e às vezes poder-se-ia dizer estranhos. Meu adorado Mestre provoca em mim sensações maravilhosas, que me deixam maravilhada, desejosa, ansiosa em que as mesmas sejam cada vez mais constantes, repetidas e renovadas...
Não tem como uma fêmea de verdade, e eu me acho uma, ficar imune ou passiva a um turbilhão de sensações que um dominador produz num momento de extremo êxtase!
Meu mestre adorado, reverenciado e sempre desejado tem esse poder dominador, que induz e transforma um simples ato num evento grandioso, magnânimo!
É por isso que eu luto, às vezes, até comigo mesma, para alcançar e superar alguns desafios; praticar alguns desejos; correr contra o tempo e contra desejos particulares.
As lições aprendidas são enciclopédicas, um verdadeiro compêndio para melhor me posicionar diante desse encantado mundo bdsm, encravado de pegadas de markas de prazer!

terça-feira, 19 de dezembro de 2017

REFLEXÕES DE UMA SERVA!



Durante vários anos, há mais de uma década, aproximadamente, enveredei-me por este caminho que chamo de fascinante mundo do BDSM. E isso foi me rebatizando com uma nova roupagem, novos desejos, novas posturas. Os contatos com as pessoas deste meio me enriqueceram o conhecimento do que é este estilo. Entretanto, e obviamente, o contato mais especial e essencial foi com meu Mestre e Senhor, Dom Marka, a quem dediquei minha servidão. Com Ele aprendi o que é de fato bdsm. Foi algo crescente, que cada vez mais me moldava, me ensinava, me acondicionava dentro do caráter bdsm e de suas próprias vontades.
Fui me lambuzando, me envolvendo... E é impossível não se envolver com todas essas magias, feitiços e seduções que o BDSM desperta na mente da gente, na minha mente, em meus desejos... Traz uma agonia, uma inquietação que vem acoplada com aquela vontade de quero mais, de se aprofundar mais, de desejar mais... E sempre mais...  Com uma linguagem única, particular, que nem palavras  traduziriam o sentido real...
Fui tateando brechas, formando desejos,  criando momentos, esperando o tempo; até cruzar vários arco-íris, de forma que esses caminhos  me conduzissem ao Mestre... Só pelo prazer que Ele a mim causa. Especificamente se posso  provocar o  prazer Dele.
        Tive, também, a voz embargada, markada pelo refugo da mordaça invisível. Tantas cordas sem laços, sem amarras, fazendo companhia para um excêntrico desejo vermelho repleto de tantos sonhos: quantos sonhos, Dom Marka, foram realizados Contigo! E quantos ainda desejo que sejam realizados! E na minha mente ainda reside uma imagem viva de uma serva ajoelhada (e perfumada), de mãos postas, esperando seu Mestre e Senhor com todo seu gozo e prazer... Teus prazeres mais obscenos, loucos, desvairados, sensuais, ousados e imorais. Aqueles que elevam as carnes e faz delirar o espírito. Esta centelha de amor BDSM que ultrapassa todos os limites do entendimento humano. Que faz meu coração acelerar...
Quantas emoções senti, vivi, revivi...
Do medo à respiração ofegante, da espera, da dor, do chorar, do sorrir, do sonhar. Do toque... e quantos toques visíveis e invisíveis, com Tuas mãos, com meus pensamentos, com Tua voz, com Teus passos, com cada ação Tua... Quase impossível não pensar em Ti, como já repetidamente digo. De não desejar Teu cacete  me asfixiando a boca e garganta... Sentindo-o  crescer ali, como se fosse seu habitat natural e sentir sua pulsação explodindo...
Quem disse que esta serva quer pena?!
É quase um pedinte... Pode ser. Mas é uma serva suplicante para agradar seu Mestre adorado. E até naqueles momentos de falhas, queria poder não falhar. Queria apagar passados, queria refazer passados. Queria acertar presentes... Queria reviver tudo o que deu certo, sem fronteiras e de forma ilimítrofe!
Onde tentei escrever com muitas ou poucas palavras para somente Te expressar o tom desse meu imensurável amor bdsm. Um amor totalmente submisso a Ti. Que me faz ser...
Ser uma serva cheia de dor
Ser uma serva cheia de amor 
Ser uma serva cheia de olor...
Esse odor de servidão, que somente meu Mestre produz em mim. Eu sempre vou agradecer pelos ensinos. Obrigada, sempre, Mestre, porque minha saga de submissa só se completa CONTIGO, com Tuas ordens, com Tuas MARKAS. Sempre.

domingo, 17 de dezembro de 2017

sábado, 16 de dezembro de 2017

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

O SEGREDO






Uma vez, no auge  do sucesso, o livro O Segredo despertou interesse em muitas pessoas, até mesmo nesta serva. Fui à livraria e o comprei; mas nunca o li por completo. Mas ultimamente ele tem despertado em mim um singelo interesse. Pois dá ênfase à própria pessoa, suas ações e a força do próprio pensamento. Vou procurar na minha enorme estante para lê-lo com mais acuidade.
Por outro lado, participei de uma exposição onde o palestrante reiteradamente frisava que o segredo está em guardar o segredo. Aquilo ficou martelando em minha mente. E tenho nalguns momentos preservado 'segredos'. Não por ser supersticiosa, não por acreditar em atrair coisa 'ruim', mas para resguardar aquilo que necessariamente não precisa ser revelado, claro.
A filósofa Hannah Arendt em sua dicotomia entre a esfera pública e a privada faz interessantes distinções. Onde ressalva que 'o privado é o reino da necessidade; o público é o reino da liberdade'. É uma das minhas autoras preferidas, decerto.
E eu creio que nós temos em nós essas esferas, também.
Há pessoas que não sobrevivem sem que suas vidas privadas se tornem públicas! Como artistas, cantores, esportistas, políticos, palestrantes, youtubers, etc. Querem ser vistos, querem ser seguidos, querem ser ovacionados por plateias. Há um outro grupo que prefere a discrição, o anonimato.
Nalguns momentos prefiro o público, como apresentar algum trabalho científico;  noutros momentos quero a quietude quase silenciada. Há Mestres, por exemplo, que não apreciam coisas e posturas espalhafatosas. É válido.
Mas há coisas na vida que só dizem respeito a quem de direito. Há coisas que mesmo sendo públicas, somente quem sabe saberá do que se trata! Há coisas entre um Mestre e uma serva que somente eles sabem. Há coisas que somente o mentor e seu discípulo sabem. 
Há coisas que podem ser desfrutadas, saboreadas somente entre quem está ciente dessas coisas. Aquele telegrama picante, uma cartinha luxuriante entre um macho e  uma fêmea... Pois somente essas partes envolvidas saberão que ali reside algo que só diz respeito entre si. Onde o público e óbvio é particularmente privado; justamente para que se preserve a intimidade, a privacidade de quem não quer seu privado expresso de forma pública.
O que eu quero que seja público, mesmo é essa paixão bdsm que cada dia vai nutrindo meus desejos, que se transformam nessa essência de mim mesma, essa essência de serva. Uma serva que publicamente declara sua servidão a um Mestre, um Dono por quem nutre profundo respeito, paixão e obediência. Uma serva que tem fome em ouvi-lo, que tem sede em senti-lo. Que vive sem fronteiras de servidão, sem limites de direito, porque simplesmente a Ele entregou todo e qualquer resquício desse direito, pautado no respeito, sem se sentir nem superior, nem inferior. Sente-se apenas uma serva e nada mais!
O segredo é receber o Mestre em sua essência, em seu momento, com a mais exuberante harmonia.
Eu tenho uma maleta repleta de segredos! Repleta de tantos sonhos. Repleta de tantos momentos, cada peça, me remete para uma situação diferenciada. Repleta de prazeres que não me caibo em mim mesma. Por isso sinto essa necessidade de compartilhar "Contigo (s)", senão explodo! Eu gostei, eu gosto das markas que Tuas Markas provocam em mim, Mestre! Olhe e veja quão belas são! Não tenho segredo em lhe revelá-las! Podes sentir?!
O segredo maior que guardo é este e agora é público: - eu sou esta fêmea que se tornou nesta serva para a Ti servir! Cheia e escancarada de desejos de seguir sempre Tuas Markas!