Mostrando postagens com marcador SAUDADE. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador SAUDADE. Mostrar todas as postagens

sábado, 23 de dezembro de 2017

VADIAGEM

 Esta vadiagem 
se tornou uma deliciosa viagem
onde a parada obrigatória do prazer era a acostagem
e dentro, o tesão, era a bagagem
e o corpo, o local da aterrissagem...

sexta-feira, 22 de dezembro de 2017

SONETO 57 DE SHAKESPEARE


Sendo teu escravo, o que fazer senão atender
Às horas e aos chamados de teu desejo?
Não tenho tempo algum para mim,
Nem serviços a fazer, até que me peças.
Nem ouso repreender a hora do mundo sem fim,
Enquanto eu, minha soberana, sigo tuas horas,
Nem penso que a solidão da ausência seja amarga,
Após dispensar teu servo de teu serviço;
Nem ouso questionar com meus ciúmes
Onde andarás, ou imaginar o que fazes,
Mas, como um triste escravo, sento-me e não penso,
Salvo, onde estás e quão feliz fazes a todos:
Então, que tolo é o amor, que, sob teu jugo
(Embora nada faças), nenhum mal o assombre.

tradução de Thereza Christina Rocque da Motta
(http://154sonetos.blogspot.com.br/2009/07/soneto-57-sendo-teu-escravo-o-que-fazer.html)

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

SONS MARKANTES





Eu quero ouvir o som da Tua excitação,

Eu quero ouvir o som do Teu prazer

Expressado em Teu olhar

Esse olhar furtivo, MARKANTE

Eu quero ouvir o tom de Tua voz

Eu quero ouvir o timbre de Tua vontade

Ouvir a sensibilidade de Tua pele

Sorver Tua língua, Teus desejos

Eu quero o despertar de Tua excitação

Eu quero ouvir o zunir do tempo parado

Eu quero ouvir a explosão do Teu tesão...



quarta-feira, 15 de novembro de 2017

É ASSIM QUE EU TE SIRVO



Totalmente escrava a Teus delírios
Totalmente submissa a Teu querer
encurvada ante Tua presença
E levantada para contigo cear
em prazer e servidão.
Tua serva!

sábado, 4 de novembro de 2017

COMEMORAÇÃO DOS SENTIMENTOS

 
(Maria Helena Chein)

Olho-te com meus olhos
e te encontro
nos meus cantos e muros,
enquanto me dispo
para beber teu beijo.

E te recebo, voraz,
testemunhando tua geografia
de picos e sulcos,
por onde me deito, pomares,
e alcanço todos os horizontes;
nos frutos que me dás,
entre uvas e amoras,
escorre em minha boca
tua doçura de flauta.

Tomas posse dos meus respiros,
do meu ventre de lua em suores;
tomas posse do meu corpo
e em tua concavidade
eu me solto e me vou
No retorno te contemplo
e te bebo mais ainda,
entre silêncios e vinhedos,
onde o único som
é o do nosso fruir.

Te descubro e me acendes
e nossa igualdade é a descoberta
de tumultos e vontades.
Eu, em teus alicerces,
tu, em minha luz,
nos resguardando
das amarras ou divisões
para não nos perdermos
em atavios ou cinzas.

E se te bebo mais ainda,
me beijas e me esparges
com teu vinho...





sexta-feira, 29 de setembro de 2017

NUANCES DE UM ENCONTRO - CONTO BDSM -










Todo homem e mulher aspiram e desejam um momentos de entrega, de paixão...
Tudo começou com um contato inesperado. Sonhado, tocado... O tempo foi o inimigo. O medo foi o atraso. As distâncias foram superadas. A ansiedade controlada. Um misto de medo e tesão. A espera. Os preparos. A chegada. O desejo. A entrega.
15 dias de expectativa que desencadeou num desejo insano de comer chocolate. Pulando uns quilos pra mais. Merda! Mas tá decidido. Iríamos ao finalmente, sim, Sr. Todo o preparo de coisinhas de mulher foi em vão. Nada foi utilizado. Adeus camisolas de seda. Adeus mini saias. Adeus calcinhas fio dental de rendinhas. Adeus corselet. Adeus calça liga. Adeus meia arrastão. Adeus salto alto. Uma mala de inutilidades... E muito frio.
De cara já senti o tamanho do seu desejo. Seus dedos atrevidamente tentavam me invadir... naquele taxi. Chegamos ao nosso ‘habitat’ e eu totalmente pronta, jorrando... uma gruta que se tornou uma fonte jorrante...
- De quatro!
- Sim, Sr – assim meio relutante, mas obediente.
Aquele belo cacete já procurava se acomodar entre meu calor de fêmea. Como foi delicioso senti-lo dentro em mim, me aquecendo de uma forma tão dele, tão gostosa. O seu vai vem me fazia vibrar e quase chorar. Dor e tesão num mesmo momento. Às favas com a dor.
- mais... mais... – pedia eu. Ahhhhh!!!!! Um lado masoca?!! Que que é isso? Insanamente a boca pedia o que o corpo desejava: sentir o contato do Dono. Sentir o Domínio do Mestre. Sentir que quem manda é Ele. E ele fazia mais... até senti-lo derramar dentro em mim... delícia!... Que gostoso! Mas eu queria ainda mais... queria sentir seu sabor em minha boca. queria aquecê-lo com meus lábios..
Sua voz autoritária, seu olhar perscrutador... dava vontade de fechar os olhos e esquecer o mundo e me jogar aos seus pés e lá ficar beijando, cheirando, servindo... como escrava dele que sou, que lhe pertence. Senti o calor de Tuas mãos em minhas ancas; o cheirinho de couro do Teu cinto e depois o seu sabor quente passeando pelas pernas e bundas... o frog com suas pontas deslizavam em minha gruta, fazendo delirar não de dor, mas de desejo. O Teu carinho. És um homem encantador.
Totalmente encharcada para depois Te sentir me re-invadir sem dificuldade... pois estava naturalmente lubrificada, jorrante... durante todos aqueles dias em que pude estar à Tua disposição para Te servir. Pois nada sou além de Tua serva. Viverei para teu prazer.
Queria mais... ir mais além. Aprender mais. Fazer mais... Ah! mais o tempo. Maldito o tempo que nos impedira de ir mais. De conhecer mais, de entregar mais... Preciso ser explorada. Preciso ser ensinada, corrigida... Preciso do meu Sr...
Ficará sempre a porta aberta para outra oportunidade. E dessa vez o tempo não fará escapar o desejo guardado pronto para ser entregue, usada por Ti, Sr.

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

DEIXE-ME




Deixe-me perder no Teu corpo

Deixe-me lamber os Teus pés

Deixe-me acariciar Tuas pernas

Deixe-me tocar Tuas nádegas

Deixe-me beijar o Teu ventre

Deixe-me roçar teu umbigo

Deixe-me sentir teu coração a bater

Deixe-me percorrer as Tuas costas com meu corpo

Deixe-me provar o Teu néctar em meus lábios

Deixe-TE perder-TE em mim!

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

NAUFRÁGIO




Viajar pelo Teu corpo

é se entregar em caminhos nunca imaginados

é naufragar convulsivamente

em delírios e emoções  - (hummm - inesquecíveis)

é ficar perdida à deriva

do mar revolto de marés altas...

Mestre, deixe-me naufragar em Teus sabores...