Mostrando postagens com marcador SM. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador SM. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

DA FORMA CERTA


 Dessa forma alucinada de toque
ora com dedo, ora com teu cacete
vou me completando como serva
vou me desmanchando e me construindo
com essa marka maravilhosa
que Tu tens.
Da forma certa.

sábado, 10 de fevereiro de 2018

FORMA DE SERVIR-TE!


Não existe um roteiro
não existe um script
não existe uma razão
simplesmente existe o SERVIR-TE!

sábado, 20 de janeiro de 2018

PEQUENOS GRANDES GESTOS

 
Eu sempre desejei um amor avassalador, mas confesso-Te que é em Teus gestos silenciosos de dominador que esta serva se esbalda. Em cada toque ‘falante’, nas pequenas coisas que a mim Tu proporciona, em cada tudo que vem de Ti, que faz resplandecer Tua essência; pois como diria Clarisse Lispector: "são os pequenos brilhos que encantam. Os holofotes cegam."

quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

SEQUIOSA POR TI

sequiosa pelos prazeres 
que Tu me ofertas
eu quero continuar 
a beber dessa lascívia,
mesmo através de 'migalhas'...

terça-feira, 16 de janeiro de 2018

EM TODOS OS MUNDOS


De todas as distâncias -nunca existia distância
De todos os limites -as distâncias nunca foram limites
De onde a convocação chegava
fosse longe, fosse perto  - o traçado era o mesmo
o caminho a seguir era o mesmo - o Teu
Porque Tu bem sabes que é ilimítrofe
o espaço de Teu chamado.
em qualquer mundo, em qualquer tempo...
Se fosse um chamado à lua
tornar-me-ia uma astronauta para a Ti chegar
se fosse em alto mar
marinheira seria eu, mesmo sem saber nadar
e por falar em nadar...
desde aquele dia que foi subtendido de promessas,
que nunca mais entrei em lagoa, piscina, rio...
nem sei os porquês de Tuas ordens, 
mas sei que, se elas são dadas,
é porque, por mim, devem ser seguidas e obedecidas.
Mas, se ainda Tu me chamasses para além Estado
além Região, além País...
O jeitinho brasileiro estaria presente
apenas para contigo estar.
Veja só: de quatro... mas reverente,
pois Tu bem sabes que lá no fundo do fundo
jamais  Te desrespeitaria
Chegaria ao fim do mundo para Te encontrar 
Desceria ao inferno profundo 
Para poder subir aos céus dos Teus prazeres
iria de um a outro mundo
de ponta a ponta, 
de meio a meio...
tudo para poder sentir o calor de Tua marka

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

CHICOTE DE PRAZER

Foi quando teu desejo se encostou com o meu desejo nascendo aquele louco e masturbante desejo. Numa simbiose de tesões, sob a égide do chicote do prazer; aquele prazer lambuzado, melado, safado e  cheio de gotas de sentimentos. Tu me dás uma ânsia de Tu mesmo.

terça-feira, 2 de janeiro de 2018

AQUECER...

 
 
 
 
 
 
 
 
e sinto aquele calor a aquecer minhas mãos...
eram cinzas
e sinto aquele ardor a preencher minha boca...
eras Tu
e sinto aquele sabor a jorrar em meu corpo...
era Teu gozo delicioso!

segunda-feira, 1 de janeiro de 2018

terça-feira, 26 de dezembro de 2017

MARKAS NA VIDA


E mais um tempo se passa. 
Eras regadas com markas que deixam o coração e os desejos sempre em aceleração. 
Markas desejáveis e renováveis a cada encontro, cheio de insinuações...
Obrigada, Mestre, 
por tuas Markas em minha vida!
 

sexta-feira, 22 de dezembro de 2017

SONETO 57 DE SHAKESPEARE


Sendo teu escravo, o que fazer senão atender
Às horas e aos chamados de teu desejo?
Não tenho tempo algum para mim,
Nem serviços a fazer, até que me peças.
Nem ouso repreender a hora do mundo sem fim,
Enquanto eu, minha soberana, sigo tuas horas,
Nem penso que a solidão da ausência seja amarga,
Após dispensar teu servo de teu serviço;
Nem ouso questionar com meus ciúmes
Onde andarás, ou imaginar o que fazes,
Mas, como um triste escravo, sento-me e não penso,
Salvo, onde estás e quão feliz fazes a todos:
Então, que tolo é o amor, que, sob teu jugo
(Embora nada faças), nenhum mal o assombre.

tradução de Thereza Christina Rocque da Motta
(http://154sonetos.blogspot.com.br/2009/07/soneto-57-sendo-teu-escravo-o-que-fazer.html)

quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

PRELÚDIO INICIADO


Um amor que se mede é um amor com resquícios de muita pobreza.  Por isso que meu amor bdsm é um plantel de riquezas imensuráveis; de uma construção cheia de preciosas pedras.  Daquelas que nem sempre as mãos podem apalpar. Aí eu vou com Shakespeare:

“O amor é uma fumaça formada pelo vapor dos suspiros. Alentado, é um fogo a brilhar nos olhos dos apaixonados. Revolto, é um mar nutrido pelas lágrimas dos amantes. Que mais será? O amor é uma loucura sensata, um fel que adoça, uma doçura que amarga.”

Meu adorado Mestre, Dom Marka, gravastes em minhas carnes, em minha pele, em meus desejos este Teu domínio acentuado, de cunho imensurável; completado através das 'viagens' de tesões que foram e são sempre proporcionadas. Essas viagens que sempre começam quando nos encontramos, ou não. E que estão sempre se renovando, se reinventando, com novos componentes, com novos acessórios, com novos ingredientes. Cada parada é uma descoberta.
Quantas loucuras lúcidas! Sem precisar conter impulsos, regrar desejos, coibir fantasias. Contigo, quero todas as viagens plausíveis e possíveis! Quero seguir todos os caminhos retos ou curvos! Quero levar todas as bagagens pesadas ou leves! Quero ser uma colmeia completa, sendo preenchida por ‘méis’ de Tuas taras, bem melados, lambuzados, untados; aferroada de prazeres carnais, naquela lascívia luxuriante que Tu provocas e transmites.
Tu és um incentivo particular em minha andança de fêmea. De serva. E em Tua homenagem esta semana brinquei demais. Uau, Mestre adorado! Treinando cada vez mais, abrindo cada vez mais... Será meu ‘presente’ a completude daquela invasão iniciada e ainda não concluída. Por isso este esforço particular em sentir...
Olhando aqui aquele gigante... Mil ideias, mil desejos. Nunca me sentir tão ‘vadia’ como esses dias... Poros exalando essa depravação, esse desejo que me deixa pulsando por Ti...
Noutro momento descrever-Lhe-ei o que vivenciei...

terça-feira, 19 de dezembro de 2017

REFLEXÕES DE UMA SERVA!



Durante vários anos, há mais de uma década, aproximadamente, enveredei-me por este caminho que chamo de fascinante mundo do BDSM. E isso foi me rebatizando com uma nova roupagem, novos desejos, novas posturas. Os contatos com as pessoas deste meio me enriqueceram o conhecimento do que é este estilo. Entretanto, e obviamente, o contato mais especial e essencial foi com meu Mestre e Senhor, Dom Marka, a quem dediquei minha servidão. Com Ele aprendi o que é de fato bdsm. Foi algo crescente, que cada vez mais me moldava, me ensinava, me acondicionava dentro do caráter bdsm e de suas próprias vontades.
Fui me lambuzando, me envolvendo... E é impossível não se envolver com todas essas magias, feitiços e seduções que o BDSM desperta na mente da gente, na minha mente, em meus desejos... Traz uma agonia, uma inquietação que vem acoplada com aquela vontade de quero mais, de se aprofundar mais, de desejar mais... E sempre mais...  Com uma linguagem única, particular, que nem palavras  traduziriam o sentido real...
Fui tateando brechas, formando desejos,  criando momentos, esperando o tempo; até cruzar vários arco-íris, de forma que esses caminhos  me conduzissem ao Mestre... Só pelo prazer que Ele a mim causa. Especificamente se posso  provocar o  prazer Dele.
        Tive, também, a voz embargada, markada pelo refugo da mordaça invisível. Tantas cordas sem laços, sem amarras, fazendo companhia para um excêntrico desejo vermelho repleto de tantos sonhos: quantos sonhos, Dom Marka, foram realizados Contigo! E quantos ainda desejo que sejam realizados! E na minha mente ainda reside uma imagem viva de uma serva ajoelhada (e perfumada), de mãos postas, esperando seu Mestre e Senhor com todo seu gozo e prazer... Teus prazeres mais obscenos, loucos, desvairados, sensuais, ousados e imorais. Aqueles que elevam as carnes e faz delirar o espírito. Esta centelha de amor BDSM que ultrapassa todos os limites do entendimento humano. Que faz meu coração acelerar...
Quantas emoções senti, vivi, revivi...
Do medo à respiração ofegante, da espera, da dor, do chorar, do sorrir, do sonhar. Do toque... e quantos toques visíveis e invisíveis, com Tuas mãos, com meus pensamentos, com Tua voz, com Teus passos, com cada ação Tua... Quase impossível não pensar em Ti, como já repetidamente digo. De não desejar Teu cacete  me asfixiando a boca e garganta... Sentindo-o  crescer ali, como se fosse seu habitat natural e sentir sua pulsação explodindo...
Quem disse que esta serva quer pena?!
É quase um pedinte... Pode ser. Mas é uma serva suplicante para agradar seu Mestre adorado. E até naqueles momentos de falhas, queria poder não falhar. Queria apagar passados, queria refazer passados. Queria acertar presentes... Queria reviver tudo o que deu certo, sem fronteiras e de forma ilimítrofe!
Onde tentei escrever com muitas ou poucas palavras para somente Te expressar o tom desse meu imensurável amor bdsm. Um amor totalmente submisso a Ti. Que me faz ser...
Ser uma serva cheia de dor
Ser uma serva cheia de amor 
Ser uma serva cheia de olor...
Esse odor de servidão, que somente meu Mestre produz em mim. Eu sempre vou agradecer pelos ensinos. Obrigada, sempre, Mestre, porque minha saga de submissa só se completa CONTIGO, com Tuas ordens, com Tuas MARKAS. Sempre.