Mostrando postagens com marcador SUBMISSA. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador SUBMISSA. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

EM TIRAS


Para Markar desejos...
Para relembrar o coração
Tiras de momentos
Tiras de prazer...

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

DE TODAS AS FORMAS



 A TI RECEBER

 A TI OUVIR

A TI SERVIR




DOM MARKA

Tu compões a minha vida de tal forma 
que tua ausência me descompõe toda...
Como é bom Te sentir pulsar em mim. 
De todas as Tuas "loucas" formas.
Que a mim enlouquecem também.

terça-feira, 21 de novembro de 2017

EU TENHO...



porque Eu tenho:
um compromisso com o prazer
uma aliança de servidão contigo
um pacto em Te servir

UM PODER PREPONDERANTE!





Quando de repente aquela convocação ansiosamente aguardada chega:
- Ylena!
A voz do Mestre. O comando do Mestre. O chamado do Mestre!
- Sr? Pode dizer meu Senhor!
E a serva fica à escuta, à espreita, aguardando as ordens que precisas soam daquela boca que transmite desejos e desafios.
O encontro é markado. Putz! Isso é espetacular e ao mesmo tempo desafiador, pois a serva  não se achava adequada para este momento na presença de seu adorado Mestre. Mas jamais cogitaria da possibilidade de dizer um NÃO. Sob hipótese alguma! Tinha  um compromisso com a saúde e não poderia  faltar. Dois interesses importantíssimos ao mesmo tempo. Um teria que aguardar o outro e assim foi feito, de forma compreensiva o Mestre norteou a decisão.
Aquele andar... Uau... Jamais esquecerei aquele andar. Um andar imponente. Audacioso. Dominador. Era Ele. O coração dispara.
A memória viaja. A memória se materializa, os sons se tornam audíveis.  Lembrando os meus gritos dizendo “não” enquanto eu mesma me empurrava para o SIM do prazer do Mestre. Aiai, suspiros...
Queria ter corrido em casa, tomado um demorado banho, lavado cabelos, feito escova (essas coisas de mulher – e não propriamente de escrava), mudado de roupa, colocado a perigosa mala no carro e assim está para o desfrute. Com toda luxúria possível... Mas não foi exatamente assim. Só pude lamentar... e festejar; e como festejei! Sempre é um grande privilégio e um extremo prazer poder gozar da presença do meu Senhor Dom Marka. É incrível como Ele tem esse poder preponderante sobre esta serva. Não há hora, nem lugar, nem clima – faça chuva ou faça sol.
Foi uma eternidade de momentos...  Foi possível fragmentar cada segundo em milhares de minutos e esses minutos se  transformaram em eternidades. Muitas eternidades.  Regadas com sensações extras com aromas de desejos, ao tempo em que se rebuscavam memórias eternizadas no tempo de nossas vidas. Como não lembrar o prazer delicioso provocado entre Senhor e serva e vice-versa? Cada momento foi espetacular, único, markante! Sempre deliciosamente relembrado, desejado e memorizado.
E ali, naquele local, de outrora, Mestre e serva se deliciaram, articularam, planejaram e novos desafios foram introduzidos. E como é sempre bom acarinhar com a língua o prazer do Mestre, sentir a explosão do Mestre aquecendo a boca...
No final do momento, uma venda invisível (olhos fechados) e a serva, ali, naquele cantinho, parada, sendo devolvida para... Para onde mesmo?  Sentiu aquele toque, aquela mão, aquele cheiro... que impregnava o ambiente e depois apenas um bater de porta. Pahhh!  Ao abrir os olhos, a busca pelo Mestre amado, que simplesmente evaporou-se, ficando a serva, ali apenas, num local aparentemente desconhecido. E agora? Para onde seguir? Direita, esquerda, frente, ré?... Decidido: seguir em frente, sempre. Como uma fêmea inteligente, claro, e buscar informações para poder melhor se situar onde estava.  Assim foi feito e chegado a um lugar ‘mais civilizado’ (risos), isto é, mais conhecido. Alívio! (ufa!).
Meu Senhor gosta de provocar nessa serva todos os efeitos de Sua dominação. E o pior (ou melhor, já nem sei), é que eu simplesmente adoro isso. 




segunda-feira, 20 de novembro de 2017

CAMINHOS






Quando os caminhos estão traçados, não há como mudar o seu curso. Eu sempre soube que minha vida bdsm estava estreitamente entrelaçada com a do Mestre. Mesmo sem saber exatamente onde seria essa intersecção. Mas nalgum momento esse elo se ligaria.
As operadoras de telefonia estão fazendo serviço de manutenção nesta cidade e em outras circunvizinhas, e isso atrapalha o acesso à internet, até mesmo por uso de telefone, e até ao meu blog, - meu cantinho bdsm. Por isso fiquei uns dias sem adentrá-lo. Mas agora estou de volta com as postagens.
Eu seguia um blog de uma submissa chamada "rashna" e seu Senhor, aqui no Nordeste, onde a mesma narrava sua vivência D/s como serva que se dedicava integralmente a servir seu Dono. Uma relação 24/7. Ali, a escrava relata momentos de extremo prazer bdsm, às vezes partilhados, às vezes apenas entre os desejos de Seu senhor. Lembro-me que nalgumas vezes ela foi partilhada com outro/s, com outra/s. Pena que a mesma não continuou mais com seus relatos inspiradores.
Quando a relação chega ao nível de empréstimos, de compartilhamento, o que está em evidência é a obediência  bdsm irrestrita de uma serva para com seu Dono, seu Senhor; não é apenas  em nome de um prazer pessoal Dele. Pode-se vislumbrar a intensidade do acatamento da ordem.
Cada vez mais esta serva se sente mais tranquila para servir aos desejos e  ordenanças de seu adorado Senhor.
Depois de desencontros (coisas suscetíveis de acontecer) um momento regado com muitas markas, markaram as delícias que um Senhor e serva podem ter. Sentir-se aquecida pelo toque irretocavelmente quente da mão do Mestre é algo que abrasa tantos desejos; desejos de ir sempre mais além. De sentir ainda mais, e mais, e mais...
As ousadias só não são ilimítrofes por que o corpo ainda não está “calejado” o suficiente... Mas como costumo dizer, tudo com treinos reiterados se consegue andar sempre um pouco mais.
Como não vibrar ao sentir o prazer do Mestre? O prazer da dor: intensa ou tênue?  O que dizer então do toque de mãos desejadas? De dedos deliciosamente safados, com todas as insinuações de prazer?
Sentir o Mestre desenhar os contornos de Seu prazer no corpo de sua irrestrita serva... como se quisesse perpetuar na memória e nas mãos, escrevendo com as pontas dos dedos cada traço, e sentir que ali há, de fato, uma fêmea totalmente submissa ao desejo de servi-Lo!
O que o tempo não apaga, a memória reacende e os momentos reescrevem a cada letra, a cada ordem, a cada encontro, a cada tempo.
Depois de tudo o que fica? Hummm. As delícias que vão regando a garganta, a memória, momentos esses de desejos irrefutáveis que foram construídos com essa marka indelével!
Agora mais do que nunca: foco. Foco nos resultados, nos treinos. No desejo de ousar. Ir um pouco mais do que aqui, do que ontem, do que hoje... Quero um amanhã repleto de coroações. Quero aquela “mala” com seus componentes totalmente arregaçada pela ousadia do poder que um Mestre que MARKA pode cunhar em uma serva totalmente entregue em Suas mãos.

serva ylena de Dom Marka